Redação do Enem: organização, conhecimento e respeito ao próximo!
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Redação do Enem: organização, conhecimento e respeito ao próximo!

Poliedro

25 Outubro 2016 | 17h48

Por Gislene Pereira

Dias atrás me deparei com uma entrevista feita com o professor da Universidade de Harvard, Steven Pinker, na qual ele dizia que, para uma escrita satisfatória, era preciso empatia com o possível leitor. Por isso a necessidade de uma consciência que permita ao escritor perceber que nem todos sabem o que ele sabe, e que o texto, obviamente, serve muitas vezes para suprir algum déficit de conhecimento. As explicações e os detalhamentos ajudam, desse modo, a garantir aquela fluidez das ideias tão necessária para quem busca uma boa leitura.

Para a realização das redações que são pedidas pelo Enem não é diferente. Os corretores querem clareza e concisão nos argumentos, querem entender com facilidade as ideias que estão sendo defendidas. Querem, de alguma forma, essa empatia. Para isso, as explicações, as fundamentações teóricas, os detalhes e os exemplos são primordiais para o bom desenvolvimento dos argumentos.

Aí vai, então, a minha primeira dica: dê valor à estrutura da dissertação, modalidade exigida por esse exame. Ela vai permitir a organização dos argumentos, que devem trabalhar em função da defesa de um ponto de vista sobre o problema que foi colocado. Encaixar o conteúdo que se pretende expressar dentro de uma estrutura ordenadora de ideias permitirá que o aluno explique as afirmações, comprove-as e reflita sobre elas de modo que o texto fique claro.

É importante lembrar que o conhecimento só conseguirá se encaixar numa ordem se realmente houver conhecimento. Assim, a segunda dica torna-se fundamental para a efetivação da primeira: leia! Hoje, há uma notória facilidade de acesso às informações devido à internet, e mecanismos como as redes sociais permitem que esse acesso seja feito de maneira descontraída, rápida e interativa. Procure textos que falem de problemas políticos, sociais, econômicos e ambientais, pois são eles o foco do Enem e é sobre eles que o aluno irá dissertar. A leitura traz mais conhecimento de mundo e referências que podem e devem ser utilizadas na redação do Enem.

Entretanto, também não basta conhecer e estruturar, tem que haver engajamento e vontade de superar os problemas que são propostos. Imersos ou não diretamente nesses problemas, os alunos terão que apontar meios para superá-los. Pensando nos direitos humanos, e no quanto eles são usurpados de muitas pessoas em nossa sociedade, é que as soluções propostas, detalhadamente, deverão fechar a redação, salientando sempre a necessidade de mudança. Está aí a terceira e última dica: respeite o próximo e os seus direitos!

Gislene Pereira é professora de Redação no Colégio Poliedro São José dos Campos.