Enem Digital: entenda o funcionamento e as expectativas do novo formato
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Enem Digital: entenda o funcionamento e as expectativas do novo formato

Poliedro

20 de janeiro de 2021 | 13h15

 

A tecnologia, que já permeia o segmento de educação, passa a fazer parte do Exame Nacional do Ensino Médio. Neste mês, os alunos já poderão realizar a prova em sua versão digital.

Apesar de o projeto estar em pauta desde 2015, esta será a primeira vez que os candidatos poderão fazer a prova no computador. Ao todo, 96 mil vagas foram disponibilizadas para um total de 5,8 milhões de inscritos para este ano. Todas foram preenchidas rapidamente.

É um bom sinal, já que o Ministério da Educação (MEC) afirma que pretende acabar com a versão física do exame até 2026. A implementação digital será progressiva e a edição de 2020 funcionará como uma fase-piloto.

As duas modalidades acontecerão em datas diferentes. As provas físicas estão sendo aplicadas nesta semana (17 e 24 de janeiro), e a versão digital ocorrerá nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro. Os dois modelos terão a mesma estrutura, com 180 questões objetivas e uma redação.

O Enem Digital 2020 será aplicado em 110 cidades de todos os estados e do Distrito Federal.

Entenda como funciona o Enem Digital e quais as suas vantagens

Em vez de cadernos de questões e cartões de respostas de papel, parte do exame será feita no computador. A redação do exame continuará sendo feita de forma manuscrita, nos mesmos moldes de aplicação e correção do Enem tradicional.

Apesar de on-line, o candidato não poderá fazer a prova remotamente e a aplicação será realizada em locais determinados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP) com computadores específicos.

O exame será dividido em dois domingos. No primeiro dia, além da redação, serão aplicadas as provas de “Linguagens, códigos e suas tecnologias” e “Ciências humanas e suas tecnologias”, com 5 horas e 30 minutos de duração. Já no segundo dia, serão aplicadas as provas de “Ciências da natureza e suas tecnologias” e “Matemática e suas tecnologias”, com 5 horas de duração.

Uma das principais vantagens do novo formato é a possibilidade de ter uma avaliação mais interativa, algo esperado nas edições futuras do exame, em que o candidato terá acesso a vídeos, áudios e infográficos, além de deixar o exame menos cansativo.

Além disso, será mais sustentável e haverá uma grande redução de custos para o Governo Federal, já que a impressão de cadernos e folhas de respostas não será necessária.

Existe ainda a possibilidade de haver flexibilidade nas datas da prova. Com essa nova versão, o Governo pretende realizar mais de uma aplicação do exame ao longo do ano. Assim, os candidatos poderão fazer a prova quando acharem mais adequado.

O Enem Digital só será aplicado em grandes cidades e, em geral, em salas de computação de universidades. Para garantir a adequação do modelo, o INEP, em parceria com a Fundação Cesgranrio, que fazem parte do consórcio aplicador da prova, já realizaram testes para fazer as validações necessárias.

Alunos interessados em entender a fundo a nova aplicação podem fazer um simulado digital gratuito, oferecido pelo INEP para o Brasil inteiro através do aplicativo oficial do Enem. E os inscritos na aplicação digital desse ano podem acessar um vídeo explicativo nas suas respectivas “Página do Participante” do portal do INEP.

Confira:

Aplicativo do Enem para Android

Aplicativo do Enem para IOS

Tudo o que sabemos sobre:

EnemEnem Digitalpoliedroeducação

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.