A importância da Orientação Educacional para a formação integral dos estudantes
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A importância da Orientação Educacional para a formação integral dos estudantes

Poliedro

23 de setembro de 2021 | 16h49

*Por Thais Ribeiro, coordenadora pedagógica do Poliedro Colégio de Campinas

A profunda transformação educacional que temos observado nos últimos anos acompanha mudanças que já ocorreram e ainda estão acontecendo dos pontos de vista social, econômico e tecnológico. Em meio a esse processo, a escola exerce o seu papel plenamente quando se dedica ao desenvolvimento das aptidões que o novo mundo exige, a exemplo da autonomia e do trabalho em equipe que devem ser amplamente exercitados em acordo com as diretrizes da BNCC (Base Nacional Comum Curricular).

Com a nova escola, espera-se também um novo perfil de aluno, que seja autor de sua história e tenha papel central no processo de aprendizagem. Mais ainda, que seja consciente de que suas ações futuras podem se tornar contribuições muito positivas para a sociedade. E para que esse cenário seja possível, é necessário entender como essencial o trabalho da Orientação Educacional.

O trabalho da Orientação Educacional vai muito além da atuação pontual em conflitos na escola ou esclarecimento de dúvidas sobre o curso desejado após o Ensino Médio. Uma atuação integral e efetiva envolve atendimentos personalizados que otimizem o processo de aprendizado do aluno, o acolhimento e o cuidado com questões emocionais, além de uma série de atividades planejadas que contribuam para as suas vidas além do âmbito acadêmico, como rodas de conversa sobre temas do seu interesse e cotidiano, exercícios de respiração e meditação, projeto de vida, entre outras. Cada estudante constrói a sua trajetória e a equipe de Orientação vai atuar como uma grande aliada na busca dos melhores caminhos para que o aluno alcance seus objetivos, apontando o que está funcionando, o que pode melhorar e, dessa forma, auxiliando o aluno a conhecer suas habilidades e anseios. A partir do trabalho junto à Orientação Educacional, o estudante se envolve mais com a escola, participa e é estimulado em seu processo de autoconhecimento.

Em geral, as escolas têm percebido cada vez mais a necessidade de olhar para o emocional de seus alunos. A pandemia intensificou ainda mais a constatação, já que o isolamento promove uma situação desafiadora, nova, assim como traz à tona novos sentimentos, para os quais os alunos precisam de apoio para aprender a lidar e encontrar soluções. Certamente o ritmo de atendimentos aumentou consideravelmente nesse período, e não podemos mais ficar apenas no âmbito pedagógico.

É fundamental também trabalhar valores que estejam alinhados com as competências gerais definidas pela BNCC. Assertividade e empatia, por exemplo, podem ser trabalhadas em sala de aula e em situações escolares cotidianas. O aluno precisa entender como se sente, como reage e as consequências das suas ações e das ações do outro para o grupo. Neste sentido, não há teoria mais eficaz do que a prática para aprender a conviver.

A Orientação assume um papel importante também no apoio aos professores, conversando sobre o que estão sentindo com as novas situações e pensando juntos em alternativas e estratégias para ajudá-los a engajar um número cada vez maior de estudantes, sobretudo agora em que a maior parte deles permanece com aulas virtuais.

Naturalmente, trata-se de um processo que contribui para a gestão escolar e o aprimoramento constante de serviços. Com um trabalho integrado, é possível mapear soluções diversas que impactam toda a comunidade escolar.

Com uma equipe de Orientação Educacional focada em trabalhar com cada aluno, entendendo sua individualidade dentro do contexto social, estimulando o desenvolvimento de suas competências acadêmicas e socioemocionais, torna-se mais provável que no futuro, seja no ensino superior ou no mercado de trabalho, tenhamos o ingresso de um jovem consciente dos seus propósitos, desejos e habilidades. Valorizar o processo de autoconhecimento em sua jornada será uma competência essencial para um mundo em constante transformação e um futuro cheio de imprevisibilidades.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.