Formação socioemocional ganha espaço no currículo

Formação socioemocional ganha espaço no currículo

Liceu Jardim

24 Outubro 2018 | 10h08

Preparar um jovem para o mercado de trabalho atual requer a formação de habilidades que excedem os conteúdos convencionais, como trabalho  em equipe, resolução de problemas, inciativa e gerenciamento de emoções

 

O mundo do século XXI cobra diariamente que os jovens sejam ativos e desbravadores, que provem ser protagonistas de sua própria história, no entanto, na contramão dessa realidade, o ensino tradicional permanece oferecendo apenas demandas antigas.

Uma das saídas para  interligar o oferecido ao aluno com o cobrado pela vida são as competências socioemocionais, com elas o jovem aprende a colocar em prática habilidades como empatia, capacidade de trabalhar em equipe, resolver problemas, tomar decisões de maneira responsável, e, por consequência, alcançar objetivos.

Algumas escolas perceberam a  demanda e se movimentaram, incluindo  no currículo projetos que visam a uma melhor formação socioemocional dos alunos, desde o ensino básico. Celso Antunes e Augusto Cury são exemplos de autores tradicionais que desenvolveram materiais para atender os colégios preocupados com o tema.

O LIV – Laboratório Inteligência de Vida (Fundação Eleva – do empresário Jorge Paulo Lemann – importado dos EUA) representa a mais bem sucedida iniciativa na área, presente em algumas das melhores escolas do país. No LIV, o aluno desenvolve o pensamento crítico, passa a entender que, com a ajuda de outros, é possível caminhar mais e melhor e que errar faz parte do processo natural da vida.

“O LIV tem sido uma experiência enriquecedora. A cada nova atividade, vejo o quanto os alunos se sentem animados e felizes em participar. É interessante notar que as habilidades trabalhadas se incorporam e aparecem naturalmente em novos desafios e contextos vivenciados por eles”, diz Jucilei Fetter, professora de Ensino Fundamental do Liceu Jardim, que trabalha com o projeto.

Explorar sentimentos, conhecer e adquirir hábitos e criar novas possibilidades de resoluções permitirão aos alunos vivências novas e desafiadoras, presentes na realidade inegável que o ser humano é complexo demais e para se desenvolver de maneira completa, são necessários métodos de aprendizagem que considerem esse fato.