O Fascínio pelo Universo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O Fascínio pelo Universo

Colégio Anália Franco

27 de maio de 2022 | 08h17

O fascínio pelo Universo começa na escola (Colégio Jardim Anália Franco-SP)

Quantas vezes olhamos para o céu noturno e nos deslumbramos com as estrelas ou com um eclipse? Sem contar as noites iluminadas pela “lua gigante” ou com o avermelhado da “lua de sangue”?  Desde a Antiguidade, o ser humano olha para o céu com bastante curiosidade e desejo em responder às suas perguntas sobre o que existe para além da Terra e do Sistema Solar.

Embora muitos povos antigos tenham buscado o conhecimento para além da atmosfera, inclusive, justapondo fenômenos da natureza e misticismo, foi na Europa após a Idade Média que a Astronomia ganhou notoriedade e apresentou avanços científicos. Compreendemos que a Astronomia é a ciência que estuda o Universo, desde a origem e formação dos astros que o compõe até os fenômenos que nele ocorrem.

 

Em sua racionalidade e curiosidade, a humanidade busca compreender e explicar o que acontece no céu. (NOGUEIRA, 2009, p.12).

 

Entre os principiais astrônomos de todos os tempos, que muito colaboraram para a astronomia como uma ciência, está o matemático polonês Nicolau Copérnico, que desenvolveu a teoria do heliocentrismo – o Sol como sendo o centro do Sistema Solar. Além de Copérnico, Galileu Galilei, físico, matemático e astrônomo italiano, responsável por várias descobertas dentro do campo da astronomia (como os anéis de Saturno, por exemplo), contribuiu de forma significativa com o aperfeiçoamento dos telescópios, e Johannes Kepler – astrônomo e matemático alemão – também foi outro grande nome da astronomia. Kepler foi imortalizado por ter criado as leis da “mecânica celeste”, conhecidas como as Leis de Kepler.

 

Projetos em incentivam a astronomia e a astronáutica (Colégio Jardim Anália Franco-SP)

 

A humanidade avançou rumo ao Universo e a ciência trouxe respostas e provocou novas perguntas. Atualmente, a Astronomia é considerada uma ciência muito extensa, com várias áreas de estudo específicas, como a Cosmologia (estudo da origem e da composição do Universo), a Astronomia Estelar (compreensão das estrelas e da evolução estelar), a Astronomia Galáctica (ramo dedicado aos estudos da Via Láctea) e a Astronomia Extragaláctica (estudo de os objetos situados fora da Via Láctea, sobretudo as outras galáxias).

A Astronomia sempre despertou interesse na humanidade, por esse motivo ela apresenta grande importância na educação básica. Com sua grande variedade de conhecimentos, a Astronomia se mostra uma poderosa ferramenta nas mãos do professor que, por meio de questionamentos, pesquisas, uso de aplicativos, vivências diversas, é capaz de instigar nos estudantes a curiosidade e inquietação, além de produzir o entusiasmo e a satisfação diante de temas sobre a natureza do universo.

 

Vivências que valorizam a astronomia (Catavento Cultural e Planetário – Foto: Colégio Jardim Anália Franco-SP)

 

Sabemos que o estudo sobre o Universo é contínuo. Nas aulas de Ciências, as leituras, pesquisas e debates sobre as teorias da Astronomia e os conhecimentos empíricos, são fundamentais para uma reflexão crítica, que ressalta e valoriza a importância do conhecimento científico.

Outra estratégia para o ensino de Astronomia, nas aulas de Ciências é a aplicação de tecnologias da educação. No Colégio Jardim Anália Franco (Anália) é presente na rotina pedagógica o uso de softwares e aplicativos de tecnologia que favorecem estudos básicos e de aprofundamento no assunto. Um exemplo é o Stellarium, que facilita a compreensão nos movimentos dos corpos celestes e na identificação deles. Com esse software on-line, que representa o céu realista em três dimensões, a olho nu, igual ao que se vê com binóculos ou telescópio, os estudantes podem aprofundar seus conhecimentos e se entreterem com a exploração do Universo.

Stellarium Mobile: Recurso Pedagógico para estudos astronômicos (Colégio Jardim Anália Franco-SP)

 

Aplicativos de Treinamento de Conhecimento disponível no Site da OBA (Colégio Jardim Anália Franco-SP)

 

No Colégio Jardim Anália Franco, desde o Ensino Fundamental até o Ensino Médio, os estudantes participam da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA), realizada anualmente pela Sociedade Astronômica Brasileira (SAB), em parceria com a Agência Espacial Brasileira (AEB) que é ofertada aos estudantes em todo território nacional.

 

Reconhecimento do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações aos alunos medalhistas na OBA

 

Seu objetivo é fomentar o interesse dos jovens pela Astronomia, Astronáutica e demais ciências, promovendo a difusão dos conhecimentos básicos de uma forma lúdica e cooperativa, mobilizando num mutirão nacional, além dos próprios alunos, seus professores, coordenadores pedagógicos, diretores, pais e escolas, planetários, observatórios municipais e particulares, espaços, centros e museus de ciência, associações e clubes de Astronomia, astrônomos profissionais e amadores, e instituições voltadas às atividades aeroespaciais.

 

“Saber muito não lhe torna inteligente. A inteligência se traduz na forma que você recolhe, julga, maneja e, sobretudo, onde e como aplica esta informação”. (Carl Sagan)

 

No Anália, os estudantes desenvolvem o conhecimento científico de forma lúdica, cooperativa e significativa, por intermédio de trilhas de aprendizagens multidisciplinares, jogos, aulas teóricas e práticas. Os conhecimentos adquiridos e compartilhados, são base para a compreensão e realização das provas teóricas da OBA e, também, a confecção e lançamento do foguete, seguindo as normas da MOBFOG (Mostra Brasileira de Foguetes).

A MOBFOG é uma olimpíada inteiramente experimental que consiste em construir e lançar foguetes, obliquamente o mais distante possível a partir de uma base específica. Foguetes e bases de lançamentos são construídos pelos nossos estudantes e, nesse processo, eles reúnem seus conhecimentos científicos em física e matemática, aprendidos nas aulas regulares e em oficinas complementares ofertadas pela escola, para lançarem seus foguetes. Esse é mais um momento que os estudantes do Anália se concentram e se divertem, ao mesmo tempo, para obterem os melhores resultados, reverem dados, criarem estratégias de lançamento, compreenderem as regras estabelecidas para a participação das eliminatórias da MOBFOG e, por fim, desenvolverem um saber diferenciado e completo.

 

Profª Daniela A. Dameto Farina

Bacharel em Ciências da Natureza / Biologia

Pós-Graduação em Neurociência

Docente do Colégio Jardim Anália Franco

 

Para saber mais:

CARVALHO, Tassiana F.G.; RAMOS, João E.F. A BNCC e o ensino da astronomia: o que muda na sala de aula e na formação dos professores. Revista Currículo e Docência, ISSN: 2675-4630 Vol. 02 | Nº. 02 | Ano 2020

BRASIL, Secretária de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais/ Secretária de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.

NOGUEIRA, Salvador; CANALLE, João B.G. Coleção: Explorando o ensino. V. 11. Brasília: MEC, SEB; MCT, AEB, 2009.

SOLER, D. R.; LEITE, C. Importância e justificativas para o ensino de Astronomia: um olhar para as pesquisas da área. Simpósio Nacional de Educação e Astronomia – SNEA, São Paulo, 2012.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.