Língua Inglesa é o passaporte para viver e transformar o mundo!
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Língua Inglesa é o passaporte para viver e transformar o mundo!

Colégio Anália Franco

09 de junho de 2021 | 12h00

Formação Bicultural para a vida (Colégio Jardim Anália Franco-SP)

Aprender uma língua estrangeira pode parecer um “tabu” para uns e um “obstáculo” para outros. O que muitas vezes estamos de frente é com a problemática do ato de aprender e os preconceitos advindos de uma herança cultural que interrompe sonhos pelo “simples” fato de querer se impor sob o pretexto de que alguns podem aprender e outros não. Errado! Todos podem e têm esse direito, pois o ato de aprender não deve ser estruturado para a realização de uma prova, mas para a demonstração de competências e habilidades que temos para os desafios da vida, fato que também é avaliado por provas, mas não se resume a elas. É, neste sentido, que a Língua Inglesa deve ser inserida no contexto escolar, pois a interatividade e a comunicação para com a cultura inglesa é um carimbo importante no passaporte para viver o mundo!

Há séculos, o Inglês é uma língua dominante no mundo. Nem sempre foi assim e, atualmente, o Espanhol e o Mandarim já dividem espaços significativos nas relações comerciais entre os países. Todavia, a Língua Inglesa ainda é o recurso imprescindível que temos para nos aventurarmos e intervirmos no mundo em que vivemos, pois, para além da influência econômica, a língua inglesa está presente em um arcabouço cultural e tecnológico que vemos, ouvimos e usufruímos todos os dias.

Nesse sentido, vale destacar que os seres humanos exercem influência sobre pessoas e grupos sob diversos aspectos. Um deles, é o cultural. Uma análise já realizada pela famosa Escola de Frankfurt no século XX trouxe, a partir do conceito de Indústria Cultural, uma compreensão deste cenário no aspecto de sobreposição de países que se colocam economicamente em hegemonia no planeta em relação a outras nações a eles dependentes. Theodor Adorno e Max Horkheimer protagonizaram este processo reflexivo de maneira a evidenciar que o modelo capitalista advindo do processo de industrialização precisava criar uma cultura que viabilizasse o consumo dos produtos e, assim, girasse a economia com a rapidez almejada neste – até então – sistema em germinação.

a interatividade e a comunicação para com a cultura inglesa é um carimbo importante no passaporte para viver o mundo!

Este processo ideológico que coloca o consumo como a égide das relações de poder na sociedade atual, interfere em diversos outros setores, mas é no cultural que mais engendra sua influência. Walter Benjamin (contemporâneo de Adorno e Horkheimer) analisou o impacto da reprodução da cultura em larga escala de forma a edificar uma cultura de massa, a qual possibilita o acesso de muitas pessoas à arte (fotografia, música, filme, pintura, escultura etc), todavia esvazia a autenticidade da arte, classificando-a como mais “um dentre tantos outros produtos”. Esta realidade no mundo atual contida em muitas expressões artísticas pode, também, ser vista na forma do ser humano ser e viver no mundo. Não raro, as relações entre as pessoas se tornam comerciais e verifica-se que “valores” humanos são pressionados a assumirem rótulos para atenderem às demandas comerciais. Em uma visão de senso comum, os “valores” passaram a ser assumidos no “preço” das coisas. Mas, na formação de uma consciência crítica e ética, vale destacar que os “valores” não possuem um “preço”.

(…) encontramos o sentido de uma educação que forma para além do “verbo To Be”.

É aí que encontramos o sentido de uma educação que forma para além do “verbo To Be”. Entender o ser humano no mundo, conhecer como o mundo está estruturado e intervir na realidade que os indivíduos se encontram é uma vivência imprescindível para poder se relacionar com as pessoas, comercializar com elas e, sobretudo, pensar e construir um outro mundo possível. O processo educacional deve estar alicerçado na preparação dos estudantes para viverem neste mundo e formar a sua história. Aprender com o passado e construir, no presente, o seu futuro e o do mundo. Um projeto educacional que se preocupa com isso, precisa formar os estudantes em idiomas que os permitam enfrentar os desafios globais. Está aí, a essência da Língua Inglesa no currículo escolar!

No Colégio Jardim Anália Franco, o “Anália” (colégio localizado na região leste da cidade de São Paulo-SP), por exemplo, a Língua Inglesa está inserida no ambiente escolar desde a Educação Infantil até o Ensino Médio de maneira a possibilitar a formação de crianças e adolescentes íntegros, interativos e investigativos. Os estudantes vivenciam situações cotidianas em inglês e utilizam recursos diversificados para a construção de uma aprendizagem com significado às suas vidas e para a transformação do mundo.

Para efetivar isso, o colégio alia a adoção de um material bicultural com vasta valorização do inglês (UNO Internacional/Santillana) à experiência de seus profissionais. Este binômio que, integrado à proposta pedagógica de uma educação inovadora e um currículo com carga horária ampliada na vivência da língua estrangeira, é capaz de expandir conhecimentos e desenvolver competências e habilidades que contribuirão para a formação de cidadãos do mundo.

Se olharmos a estrutura deste processo formativo do Anália, podemos identificar que a educação formal do ensino da Língua Inglesa é uma área essencial à formação integral do ser humano. Desde a Educação Infantil, a partir dos 3 anos, a criança é transportada às vivências biculturais para maior significação da língua estrangeira. Com 180 minutos semanais, os pequeninos brincam em inglês, reconhecem cores, animais, objetos e atendem a comandos da linguagem e dialogam com os profissionais de maneira fluída, direta e muito amável. São vivências que a criança leva para casa, instiga a família a estar junto em sua formação de forma leve e prazerosa. Além disso, projetos diversificados envolvem os estudantes deste segmento de maneira que eles vivam culturas de toda parte do mundo e desenvolvam competências necessárias para outros desafios que virão nos próximos anos de suas vidas.

Aula de Inglês na Educação Infantil sobre profissões (Colégio Jardim Anália Franco-SP, 2019)

 

Já no Ensino Fundamental, outras demandas começam a surgir. Da alfabetização à preparação para os exames internacionais, passando pelo próprio desenvolvimento cognitivo e de construção intelectual da criança. Estudos têm evidenciado que o afastamento da criança da escola devido à pandemia gerou um retrocesso em sua aprendizagem. Um cenário que, de fato, atrapalha qualquer projeto pedagógico. Todavia, nem todas as realidades são idênticas. A fim de garantir a segurança de todos nesse momento de pandemia e em atendimento aos Protocolos Sanitários da Instituição, o Colégio Jardim Anália Franco estruturou seus espaços físico e digital para uma aprendizagem que, de fato, seja híbrida, envolvente e significativa tanto no presencial quanto no virtual.

Desafios diários não faltam! Um deles é o processo de alfabetização interligado à vivência bicultural em uma realidade dicotômica que, de um lado, exige o distanciamento físico e, de outro, apresentam-se crianças intensas, desejosas por interação após um longo período afastadas e, consequentemente, desacostumadas com as rotinas do ambiente escolar. Dessa forma, recriar uma cultura formativa para que a criança aprenda a aprender é um desafio diário a ser reconstruído. E esta edificação já mostra sinais positivos com o profundo engajamento dos profissionais da educação e a participação das famílias em uma verdadeira comunidade educativa.

Concluído o processo de alfabetização, outras demandas surgem na vida dos estudantes do Ensino Fundamental, e, no que tange à formação bicultural, os exames internacionais em Língua Inglesa materializam o sucesso da Metodologia CLIL adotada pela escola! O Anália é um colégio credenciado para a preparação de alunos e aplicação de exames internacionais, como o TOEFL, ao final dos ciclos formativos do Ensino Fundamental (Anos Iniciais, 5ºano; Anos Finais, 9ºano) e Ensino Médio (3ªsérie). Os estudantes realizam o TOEFL no próprio colégio e dão um passo importante para conquistas ainda maiores em suas vidas. Para isso, uma ampliação de carga horária se faz necessária desde o 1º ano do segmento. São 240 minutos semanais de Inglês para implementação de um Programa Internacional que apresenta excelentes resultados formativos. Os alunos são instigados a vivenciarem as culturas dos países que têm a língua inglesa como oficial e o fazem por intermédio de projetos que envolvem culinária, gamificação, recursos tecnológicos, metodologias ativas e muita conversação. O estudante que inicia sua jornada no colégio desde a educação infantil tem plenas condições de chegar ao Ensino Médio com fluência na Língua Inglesa, sem precisar de um “curso de inglês em escola específica de idiomas”. Para este aluno, além das certificações internacionais do TOEFL, uma imensa riqueza no arcabouço cultural advindo da formação realizada no Anália formalizará o seu currículo acadêmico.

Formação em Inglês e preparação para o TOEFL no Ensino Fundamental (Colégio Jardim Anália Franco-SP, 2021)

 

Ao chegar no Ensino Médio, a conversa é outra, mas ainda em inglês! (sic) A preparação para as demandas dos vestibulares, vivências internacionais e para o mercado de trabalho requerem o aprimoramento das competências desenvolvidas no Ensino Fundamental e a ampliação de treinamentos diversos que serão exigidos aos profissionais de alta performance.

Para tanto, há o incentivo para que os estudantes participem de eventos internacionais como Palestras, Webinars, Congresso, dentre outros. Um exemplo foi o que ocorreu com o estudante João Vitor Rodrigues da Silva, da 3ªsérie do Ensino Médio (que está no colégio desde 2014). Ele participou do 43º Simpósio Internacional de Ciências do Esporte, organizado pela CELAFISCS, com intuito de alicerçar sua escolha profissional. Foram várias sessões de palestras em Inglês em que ele participou ativamente com os conhecimentos adquiridos na formação escolar.

 

Participação em Congressos Internacionais no Ensino Médio (Colégio Jardim Anália Franco-SP, 2020)

 

Uma outra proposta que gera engajamento e que dialoga saberes com o uso da língua estrangeira é o que ocorre na eletiva do Ensino Médio “ONU”. Nela, os estudantes se conectam com temas de atualidades e promovem formações e simulações internas para argumentações e intervenções no planeta, tal como a ONU (Organização das Nações Unidas) realiza em esfera global. Nos próximos meses, uma equipe do colégio participará com uma comissão de estudantes e professores acompanhantes no FAMUN, simulação oficial e on-line da ONU, organizada pela FACAMP. Os estudantes organizados e preparados como delegação diplomática, apresentarão propostas de âmbito global em inglês, língua oficial de todo o evento.

Cultura internacional e preparação para os vestibulares no Ensino Médio (Colégio Jd Anália Franco-SP, 2021)

 

Estes exemplos são apenas uma parte do leque de inspiração que o Anália tem apresentado para a comunidade escolar. Assim, o colégio contribui há 40 anos para uma educação de qualidade na cidade de São Paulo e no Brasil, formando ativamente estudantes para o enfrentamento dos desafios globais. Embora essa não seja a realidade de todos os ambientes educacionais, nos últimos dias o Governo do Estado de São Paulo anunciou que, a partir de 2022, a língua inglesa estará inserida no currículo escolar desde o 1º ano do Ensino Fundamental das escolas públicas (atualmente integra o currículo oficial a partir do 6ºano do Fundamental). Uma boa notícia para os paulistas, mas os resultados ainda demorarão a aparecer em nossa sociedade.

Esta dicotomia entre as realidades educacionais pública e privada, ainda latente em nossa sociedade, nos deixa uma grande inquietação: qual a relevância que se dá à educação em nosso país? É preciso depender tanto dos resultados da rede privada para a formação de profissionais que atendam às reais demandas de gestão de excelências técnica e humana da atualidade? Enquanto medidas para a igualdade de condições educacionais não aparecem devido à lentidão de Políticas Públicas a este fim, o Anália seguirá seu trabalho com afinco neste processo de formação de uma sociedade em que as pessoas não sejam tratadas como objetos ou números. Entendemos que todos os estudantes necessitam compreender as dinâmicas das relações socioeconômicas e desenvolver habilidades e competências para que, desde cedo, consigam seu “passaporte” para viver e transformar a si mesmos e o mundo que habitam.

Prof. Sérgio da Costa Bortolim

Mestre em Políticas Sociais e Especialista em Educação.

Licenciado em Filosofia e Pedagogia.

Diretor Pedagógico do Colégio Jardim Anália Franco.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.