Educação Infantil: Aprendizagem do Esperançar
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Educação Infantil: Aprendizagem do Esperançar

Colégio Anália Franco

25 de agosto de 2021 | 15h03

Ação docente com protocolos específicos para a Educação Infantil (Colégio Jardim Anália Franco)

O ano de 2021 começou com muitas incertezas, inseguranças e novas adaptações para voltar presencialmente com crianças dentro da sala de aula. Aos poucos, seguindo protocolos sanitários, orientações governamentais e as demandas das famílias, a comunidade escolar se reencontrou com a alegria da vida cotidiana e a responsabilidade da proteção coletiva que se fizeram ainda mais presentes no ambiente escolar. Os cuidados reforçados em relação às orientações de higiene, separação de materiais e adaptações na rotina escolar em geral passaram a compor um novo paradigma que visava um retorno seguro e que permitisse ressignificar o período complexo em que vivemos: fomos do momento do “esperar” à realidade do “esperançar”.

O Colégio Jardim Anália Franco montou uma cartilha visando o bem-estar de toda a comunidade escolar (Protocolos Gerais de Segurança e Higiene) que explica os procedimentos diversos de prevenção e as ações pedagógicas para a retomada das aulas presenciais. Este protocolo foi pensado com base nas orientações científicas, desenvolvidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e recomendações governamentais para a região de São Paulo-SP. Cada espaço escolar da Educação Infantil foi repensado para garantir a segurança de todos e atender, com qualidade pedagógica, às diferentes necessidades de aprendizagem de nossas crianças.

No que tange a Educação Infantil, a Sociedade Brasileira de Pediatria não recomenda o uso de máscaras às crianças menores de 2 anos, tendo em vista o risco de sufocamento e, para crianças de 3 a 5 anos, seu uso deve ser avaliado e supervisionado, devido ao incômodo causado e ao excesso de contato das mãos com a máscara. Neste sentido, o uso de máscara não é obrigatório para essa faixa etária, porém os pequenos estudantes aprenderam a importância de sua utilização e, cotidianamente, são estimulados à vivência dos cuidados pessoal e coletivo. Além disso, as famílias da Educação Infantil são orientadas a enviarem as crianças com máscaras ao colégio e com, pelo menos, duas trocas diárias.

Na entrada da escola, todos os alunos e colaboradores passam diariamente pelo protocolo de testagem:

  1. Limpeza dos calçados em tapete higiênico.
  2. Aferição da temperatura.
  3. Higienização das mãos e descontaminação das mochilas e materiais com borrifador de álcool 70%.

Protocolos Sanitários nas rotinas escolares (Colégio Jardim Anália Franco)

O combate à pandemia precisa ser coletivo para ser efetivo e, para isso, a ação educacional é estratégia essencial. O acolhimento no retorno foi adotado por 15 dias no início do ano letivo para os alunos e suas famílias se sentirem seguros nos locais da escola. Diversas brincadeiras foram adaptadas, nossas crianças aprenderam músicas ampliando o repertório linguístico e cultural, a partir de canções como “Sem abraço, sem beijo e sem aperto de mão” (Turma da Mônica) e “Dança das Máscaras” (Palavra Cantada).

É com a prática do lúdico que as crianças do Anália aprendem e convivem protegidas contra a Covid-19.

As salas foram modificadas: suportes contendo álcool em gel foram implementados em locais estratégicos para o uso rotineiro com o apoio dos professores, mesas separadas com distanciamento foram demarcadas e cada criança brinca com os próprios blocos pedagógicos. Após a execução de cada atividade proposta, as crianças higienizam as mãos com água e sabão e assimilam os protocolos sanitários por meio de músicas informativas. Conforme a rotina, a “dança” dentro da sala de aula continua e os alunos brincam, cantam e se divertem respeitando as marcações no chão para não ultrapassarem o espaço do amigo. É com a prática do lúdico que as crianças do Anália aprendem e convivem protegidas contra a Covid-19.

O combate à pandemia precisa ser coletivo para ser efetivo e, para isso, a ação educacional é estratégia essencial.

O momento do lanche também sofreu alterações. As crianças não podem compartilhar o seu lanchinho, as cadeiras têm distanciamento por mesas, os colaboradores orientam os alunos individualmente na higienização das mãos e dos dentes e, ao final, trocam as máscaras sujas por limpas.

Educar é contar histórias. Contar histórias é transformar a vida na brincadeira mais séria da sociedade. (Augusto Cury)

A volta com os alunos demonstrou o quanto o convívio na escola é benéfico para a formação das nossas crianças. Alguns estudantes demonstraram as suas emoções fragilizadas, evidenciaram o medo e apresentaram autoestima baixa. Para agir sobre estes contextos, a equipe pedagógica realizou leituras para criar momentos de escuta entre as crianças. Livros como “ O Monstro das cores”, “Dormir fora de casa” e “O rato, o morango vermelho maduro e o urso esfomeado” fizeram parte das “contações de histórias” seguidas de rodas de conversas. Em cada leitura, as professoras trabalhavam os sentimentos para oferecer reflexão sobre o medo de ficar longe dos pais, falar sobre a coragem individual e estimular o conhecimento das próprias emoções.

Livros para desenvolvimento de habilidades socioemocionais na Educação Infantil (Colégio Jardim Anália Franco)

Nessa perspectiva, uma equipe escolar qualificada faz toda a diferença. Os professores estão sempre atentos à saúde emocional das crianças e, sempre que necessário, a parceria Família-Escola é requisitada para proposição de ações com foco no amparo às demandas de cada aluno.

Além de tudo, os pequenos estudantes precisaram combinar e vivenciar as regras escolares conforme a nossa nova realidade, respeitando os espaços físicos de cada amigo e esperando o seu momento de fala e escuta. Essas práticas cotidianas foram retomadas pelos docentes com paciência, aprendizado e amor, pois as crianças ficaram durante meses convivendo somente com a família.

Não se pode em falar em educação sem amor. (Paulo Freire)

Com o objetivo de promover um certo grau de normalidade a esses novos padrões vivenciais que a pandemia exige, os professores criaram ações pedagógicas com a “Drª Lilica”, fantoche utilizado para a contação de história. A Drª Lilica contribuiu com a orientação aos alunos sobre como devem ser os comportamentos na escola com respeito aos amigos e colaboradores do colégio, o uso de máscara, lavagem correta das mãos e utilização de álcool em gel, com a leveza e a simplicidade de uma linguagem própria para a criança.

“Desfile dos Ursos Mascarados” – o lúdico no processo de aprendizagem (Colégio Jardim Anália Franco)

Outra ação pedagógica significativa na adequação das nossas crianças às vivências dos protocolos sanitários foi o “Desfile dos Ursos Mascarados”, uma atividade criativa e lúdica. Nela, os alunos foram desafiados a confeccionarem máscaras faciais e acessórios para ursos de pelúcias. Em seguida, cada criança apresentou um desfile mostrando a máscara criada por ela, nomeou o seu novo amigo de pelúcia, levou seu ursinho com máscara para passear pela escola e brincar no parque. Os alunos se divertiram e aprenderam bastante com a brincadeira.

Sempre respeitando os direitos de aprendizagem e desenvolvimento da criança (conviver, brincar, participar, explorar, expressar e conhecer-se), as práticas pedagógicas na Educação Infantil do Anália foram desenvolvidas a partir da BNCC (Base Nacional Comum Curricular), conforme exemplifica o infográfico:

BNCC – Campos de Experiências para a Educação Infantil

A “aprendizagem do esperançar”, aquela que se baseia na resolução de problemas e que coloca o estudante – desde pequeno – como protagonista de seu conhecimento, despertando sua autonomia e a construção da consciência ética para um mundo em constante transformação, é desenvolvida pelo projeto pedagógico do Colégio Jardim Anália Franco na formação de estudantes investigativos, interativos e íntegros. A Educação Infantil é o princípio nesta preparação das mentes pulsantes e criativas para que, no futuro próximo, possam buscar soluções aos desafios do mundo global. Vamos juntos?

 

Marcela Bezerra Diniz

Graduada em Pedagogia

Professora da Educação Infantil

Docente do Colégio Jardim Anália Franco

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.