Do lixo ao luxo: Educação e sofisticação pedagógica
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Do lixo ao luxo: Educação e sofisticação pedagógica

Colégio Anália Franco

17 de junho de 2020 | 15h30

Produção artística com produtos reciclados (Colégio Jardim Anália Franco)

 

Separar o lixo e, em seguida, levá-lo às lixeiras corretas do lado de fora dos nossos lares, a ser coletado pelos profissionais de limpeza urbana, não significa se livrar do problema do lixo e, apenas por isso, se tornar um cidadão consciente e sustentável. Embora esse dejeto não corra o risco de entupir bueiros, o lixo nunca sai da nossa verdadeira casa, o Planeta Terra. Todos podemos fazer mais e auxiliar de forma mais eficaz nesse problema urbano!

Para entender isso, é vital entendermos primeiro a importância do “Princípio dos 3R’s”, proposto por Willian Russell e Rex Burch. Reutilizar, usar novamente, inclusive para diferentes e novas funções. Reciclar, transformar materiais em matéria-prima para novos produtos. Reduzir, ou seja, consumir menos e priorizar produtos que apresentem menor concepção de resíduos e maior durabilidade.

Assim, tanto pela quantidade, como pelos materiais que consumimos, direta ou indiretamente, bem como o seu destino, temos a responsabilidade em tornar o Planeta Terra um lugar melhor para nós e para as próximas gerações.

Na perspectiva de formar cidadãos íntegros, investigativos e interativos, o Colégio Jardim Anália Franco proporciona a aprendizagem visando a conscientização desse Princípio, em toda a complexidade educativa e em todas as fases da constituição do aprendiz, transformando o que, antes, era lixo, em um luxo educacional e em uma sofisticação pedagógica.

Proposta Pedagógica alinhada às demandas do planeta (Colégio Jardim Anália Franco)


De um simples cartaz a ser apresentado em grupo em uma manhã de quinta-feira até a construção do FAFEC (Festival Anália Franco de Esportes e Cultura), passando por contações de histórias, atividades de alfabetização, criações artísticas que são expostas pela escola, projetos makers e em ações envolvendo a formação contínua de professores, a intencionalidade pedagógica do colégio é reduzir e reutilizar. Reduzir, pois os materiais pedidos no dia a dia da escola são mínimos e, afinal, reutilizamos o que seria “lixo” para outros em nossas estratégias pedagógicas.

Criação com material reciclado para contação de histórias na Educação Infantil (Colégio Jardim Anália Franco)

 

Atividades que incentivam a criatividade sustentável das crianças (Colégio Jardim Anália Franco)

 

Produção da Equipe Docente para atividades sensoriais (Colégio Jardim Anália Franco)

 

Para tanto, desenvolveu-se na escola um espaço educacional de conscientização e de reutilização de materiais: o sucatário. Organizado por tipos de objetos e alimentado pela comunidade escolar, este espaço de aprendizagem armazena as matérias-primas que estimulam a criatividade, a cooperação e a imaginação de alunos e colaboradores que transformam e materializam projetos pedagógicos riquíssimos diariamente.

Sucatário: “shopping da sustentabilidade criativa” (Colégio Jardim Anália Franco)



Ir ao sucatário ou levar para o “Anália” uma sacola com “lixo” reciclável já faz parte da cultura escolar, mas reutilizar não é a única ação proposta pelo colégio. Em parceria com o Instituto Triângulo, localizado em Santo André-SP, recolhemos óleo usado para ser transformado em sabão, isso é reciclar! É por meio dessa parceria que, o que antes era resíduo poluente, se transforma em matéria-prima para um novo produto, o qual é doado em diversas ações de solidariedade organizadas pelo colégio.

No ano passado, a “Reciclagem de Alimentos” na forma de culinária sustentável foi tema de uma deliciosa e conceitual disciplina eletiva lecionada para o Ensino Médio. Já no componente “Empreendedorismo” deste ano, como resultado dos estudos práticos, partiu de um grupo de alunos o interesse na montagem de uma empresa para rememorar a “troca dos lacres de alumínio por cadeiras de rodas”, que é da alçada do grupo social do colégio.


“O mundo não é formado apenas pelo que já existe, mas também pelo que pode efetivamente existir” (Milton Santos)


Pensar (e estudar!) em reduzir o consumo é posto como desafio no processo de aprendizagem. Assim, compreender o mundo real, o mundo como percebemos e o mundo como possibilidade, como propõe o grande geógrafo brasileiro Milton Santos, é uma missão rotineira no colégio que transpassa disciplinas e estágios de aprendizagem.

Ação pedagógica que integra docentes e ensina partir de projetos (Colégio Jardim Anália Franco)


A formação de smart citizens, ou seja, de cidadãos inteligentes, íntegros e interativos, que se munem do conhecimento para se comunicar de maneira clara e que ajam de forma proativa, criativa e responsável na construção de uma sociedade mais equitativa, sustentável e desenvolvida passa pelo processo de aprendizagem e de entendimento da sustentabilidade que estimulamos no nosso colégio em toda sua complexidade e que pode ser estimulado em qualquer outro espaço e por todas as pessoas.

Gabriel Pironcelli Kazukas

Docente do Colégio Jardim Anália Franco.

Geógrafo e Mestre em Geografia Humana com estudo de cidades inteligentes (USP/ Universidad Autónoma de Madrid).

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: