De “dentro” para “fora” do Caixote: arte e cultura na formação do ser humano
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

De “dentro” para “fora” do Caixote: arte e cultura na formação do ser humano

Colégio Anália Franco

27 de março de 2021 | 08h00

Atores em cena – Peça: Vovô fugiu de casa/2019 (Colégio Jardim Anália Franco-SP)

 

Há treze anos, a Cia. Dom Caixote tem expandido o campo educacional e social de sua pesquisa, adentrando nas escolas com uma Oficina Teatral completamente direcionada para a fase do Autoconhecimento que todos os estudantes, sem exceção, passam dentro do período escolar. Além de participar ativamente na formação dos jovens, o Teatro propõe a dinâmica de trabalho em grupo, desenvolvimento da fala, expressão de ideias e instiga, ainda, a idealização de um planejamento para aquilo que os alunos venham a escolher fazer de suas vidas. A parceria é um “braço” de Arte e Cultura dentro do colégio, com o objetivo de despertar o hábito cultural nos alunos, instigar a prática de Arte a partir daquilo que move cada um dos jovens e, sobretudo, direcioná-los a lidarem com seus os sonhos e suas vontades, expondo e explorando o que há de melhor em cada um deles.

O teatro é uma ferramenta de autoconhecimento muito poderosa e, desde a sua origem, o teatro dá voz ao sagrado e nos permite ter a percepção da eternidade, assim possibilita um encontro do homem com o seu lado mais profundo, e traz à tona sentimentos e pensamentos que refletem o que há de mais verdadeiro em nosso ser.

A oficina que a Cia desenvolve dentro do Colégio Jardim Anália Franco é um processo sensorial que está sendo especialmente desenvolvido para cumprir o objetivo dos pilares formativos da escola, estimulando os estudantes a serem ÍNTEGROS, INTERATIVOS E INVESTIGATIVOS. A aprendizagem protagonizada por todos os participantes com esta vivência estética, marca a história do Colégio e da Cia.

 

Formação de Comunicação e Expressão mediada por tecnologias (Colégio Jardim Anália Franco-SP)

 

No trabalho cotidiano com a arte, uma das ações necessárias para o autoconhecimento (pessoal e artístico) dos estudantes é o mapeamento de seus sonhos, dos impedimentos e incentivos que lhes são apresentados pelo contexto em que estão inseridos e, também, de percepções individuais sobre cultura. O ato de conhecer a si mesmo, potencializa ações ainda maiores no mundo em que vivemos e viveremos.

 

O teatro é uma ferramenta de autoconhecimento (…) e traz à tona sentimentos e pensamentos que refletem o que há de mais verdadeiro em nosso ser.

 

Com conteúdo provocativo, o fazer teatral incita os alunos a pensarem sobre seus sonhos, por mais inocentes e pueris que pareçam. O nosso trabalho trata a criança como um ser único, dentro do seu pequeno universo. Vemos a criança não como um indivíduo em formação, e sim, como um ser que é, que sonha, almeja, ama e teme, ainda que não consiga identificar ou nomear os sentimentos desta forma. O trabalho em sala de ensaio levanta temas referentes à relação humana em suas infinitas vivências – medos, angústias, amores… – sempre pensando no universo infantil e como esse estudante percebe e sente essas emoções. Esse encontro amplia muito o seu processo cognitivo, pois enriquece seu imaginário, permitindo um crescimento incrível da sua capacidade de conhecer e se conhecer.

 

Aprender e educar pela prática teatral: vivências que começam na escola (Colégio Jardim Anália Franco-SP)

 

A metodologia da Cia Dom Caixote responde aos questionamentos das crianças e adolescentes levando-as a agir na vida, pois refina a capacidade de questionamento sobre o mundo. O teatro pode ser considerado como um elemento catalisador, que vem para transformar a inércia, o que era para ser uma simples inquietação, transforma-se numa busca pela origem das incertezas, dos medos, das motivações, das frustrações, das paixões etc, expondo a relação entre pais e filhos, tão importante na formação do universo de pensamentos que habita em cada ser.

Trazer à tona as emoções que permeiam os sonhos de cada estudante criará a possibilidade de apontá-las com maior veracidade, dissolvendo resistências e bloqueios internos que lhes impedem de conversar abertamente sobre o assunto.

 

O teatro é uma proposta ativa e vivencial, na qual as experiências integram a imaginação e a realidade; a criança e o adulto; o ser e o fazer.

 

Pensamos que o encontro dos jovens e crianças em idade escolar com o teatro é um belo caminho para tornar nossos estudantes mais inteligentes, com maior capacidade de lidar com suas emoções e mais hábeis em transformar o mundo.

 

 

Técnica e sensibilidade: o teatro como estratégia pedagógica – Peça Romeu e Julieta/2018 (Colégio Jardim Anália Franco-SP)

 

Na parceria que contribui para a formação integral dos estudantes, a Cia Dom Caixote e o Colégio Jardim Anália Franco reúnem esforços para que a arte milenar do teatro se transforme em fonte de riqueza cultural, um tesouro que nasce dentro da escola e ecoa para a vida, contribuindo com a sensibilidade e o protagonismo das pessoas diante de suas próprias vidas.

 

O teatro é uma proposta ativa e vivencial, na qual as experiências integram a imaginação e a realidade; a criança e o adulto; o ser e o fazer. Que os deuses do teatro abençoem sempre os nossos passos.


Luiz Felipe Petuxo

Diretor teatral, cineasta e preparador de atores.
Formado em teatro, fotografia e música.
É diretor da companhia teatral Cia Dom Caixote desde 2007 e
diretor de fotografia na produtora Cena & Imagem Produções desde 2003.
É profissional premiado em diversos festivais (nacionais e internacionais)
nas áreas de Direção, Iluminação e Cenografia (57 prêmios).

Conheça mais:
www.colegioanaliafranco.com.br
www.ciadomcaixote.com.br

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.