A música, linguagem da vida

A música, linguagem da vida

Patrícia Delázari

07 Março 2017 | 08h17

A música faz parte da vida de todos os seres humanos, desde a gestação. Assim, depois do nascimento, quanto mais cedo a criança tiver contato direto com ela, melhor será o seu desenvolvimento intelectual e cognitivo. Mas apenas colocar música para a criança ouvir ou cantar com ela é o suficiente? A única das coisas de que temos certeza é que, a música fazendo parte da vida cotidiana e sendo a forma de expressão mais pura do ser humano, deve estar ao alcance de todos. Por isso foi sancionado em 2008 um projeto de lei, incluindo-a obrigatoriamente na grade curricular de toda a educação básica.

Mas afinal, quais são os objetivos das aulas de música dentro da escola?

Segundo a musicoterapeuta, psicopedagoga, arteterapeuta e educadora do Colégio Horizontes, Andreia Bagi, a musicalização infantil gera mudanças significativas e positivas na formação da personalidade do indivíduo. O objetivo dessas aulas nas escolas regulares não é a de formação de músicos, mas sim de proporcionar um espaço que auxilie no processo de construção do conhecimento, onde a criança possa aprender a ouvir, perceber, descobrir, imitar, explorar, criar, sentir e principalmente apreciar a música.usar esta

Além das noções básicas, as crianças entram em contato com diversos instrumentos musicais, aprendem ritmos, músicas do folclore de diversas partes do país e do mundo conhecendo a diversidade cultural, ampliando seu repertório, o que inclui desde jazz, rock e música erudita.

Em um trabalho multidisciplinar, é possível integrar as diversas áreas através da música, como nas aulas de inglês, português, matemática, história, ciências entre outros, explorando os instrumentos musicais, criando letras de canções e conhecendo a linguagem musical. Por ser uma atividade espontânea e criadora, possibilita às crianças, vencerem suas próprias inibições, atingindo o desenvolvimento pleno de sua criatividade e liberdade de expressão, de acordo com suas condições e potencialidades.

Através do contato com os instrumentos musicais trabalha-se a coordenação motora ampla e fina, a movimentação natural, a sociabilização, a formação de repertório e a construção de conceitos de propriedades sonoras e musicais, entre outros. É um momento extremamente importante também para as crianças com necessidades especiais, que podem se expressar e se sentir parte do grupo.

Segundo Andréia, nessas aulas os alunos desenvolvem a sensibilidade auditiva, o senso rítmico, aprimoram o nível de atenção e apresentam atitudes de adaptação e espírito de cooperação.

No Colégio Horizontes, utilizamos a flauta doce como instrumento principal para os alunos a partir do 2º ano, possibilitando um maior enfoque na leitura musical, na compreensão do ouvir o outro, no tocar em conjunto, o que caracteriza o trabalho em equipe, além do controle respiratório e da coordenação motora. Andréia conta que muitos alunos se destacam nas aulas e acabam procurando formação musical com aulas extras oferecidas no próprio Colégio ou em escolas específicas para a formação de músicos.