As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Saiba como lidar com a criança de 4 e 5 anos

Thais Gonzales

19 de agosto de 2019 | 18h35

O desenvolvimento do bebê é um tema bastante frequente nos meios de comunicação. Fala-se muito ainda dos dois anos, momento de mudanças e descobertas. Pouco se diz sobre os quatro e cinco anos. Esta fase pode ser desafiadora para muitas famílias. Como tantas outras etapas, é hora de compreender para saber lidar.

Segundo Cristiane Fernandes, coordenadora da Educação Infantil do Colégio Alicerce, nessa faixa etária, a criança consegue reclamar de algum amigo para o adulto, tem preferência em brincar com colegas do mesmo sexo e questiona muito. É mais independente e busca sua autonomia.

Para se proteger, ela mente (ainda que sem saber o que é uma mentira), tem medos e muita imaginação. As habilidades motoras estão a todo o vapor e consegue dialogar com muitos argumentos.

Justamente pelo vocabulário aprimorado, a autoafirmação passa a ser muito presente. Você pode observar que o “eu” aparece frequentemente na comunicação. A criança se impõe bastante e se opõe também. Para ela, as coisas são fáceis e simples e é difícil absorver o “não”.

“Se o adulto não gosta de ser contrariado, imagine a criança! No comportamento de birra, a teimosia está ligada à autoafirmação e faz parte da construção de sua identidade. Embora seus desejos vão mudando conforme a idade, ela precisa de limites”, explica à coordenadora.

Entre os 4 e 5 anos, começa o aprendizado e a compreensão sobre empatia. Sim, é necessário aprender. Desde pequena, ela acredita ser o centro das atenções. Isso faz com que tenha dificuldade para se colocar no lugar do outro. Por isso, é tão complexo aceitar comandos sem questionar. Ela ainda vê o mundo por seu ponto de vista. Mas vai passar.

Faça combinados

Fazer combinados ajuda a direcionar a criança.  Isso serve para as famílias e professores. Construa um quadro com alguns itens importantes para a boa convivência, e não se esqueça:

  • Tenha o cuidado de construir com o grupo;
  • Todos têm o direito de dar sua opinião;
  • Fixe em lugar visível;
  • Combinados cumpridos devem ser elogiados.

Estimule a autonomia 

Deixe escovar os dentes, escolher a roupa, colocar o pijama antes de dormir, entre outros. “É uma fase deliciada, em que os medos podem aparecer, como escuros e monstros. Aproveite para acolher, dar muitos abraços e beijos”, ressalta Cristiane.

Valorize as habilidades

A criança chora, fica com raiva, muitas vezes, mostra-se incompreendida e pode cansar com tantas perguntas. Administre o que é difícil com diálogo, limite e combinados e não foque só nisso. Valorize as habilidades adquiridas, como:

  • Tem uma boa relação com amigos;
  • Respeita;
  • Aprendeu a esperar;
  • Trabalha em equipe;
  • Desenvolve o vocabulário;
  • Usa expressões diferentes;
  • Começou a se interessar pela alfabetização;
  • Faz muitos registros em desenho e usa letras.

Com paciência, mais uma fase será superada e muitos aprendizados permanecerão. Lembre-se disso!

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.