Prêmio internacional apoia neurobiologistas promissores

Prêmio internacional apoia neurobiologistas promissores

Andrea Tissenbaum

13 de abril de 2021 | 14h02

Foto: David Matos, via Unsplash

Foto: David Matos, via Unsplash

As inscrições para o Eppendorf & Science Prize for Neurobiology, dirigido a neurobiologistas de até 35 anos, estão abertas e vão até 15 de junho.

Eppendorf, empresa alemã de biotecnologia com foco em Life Science abriu as inscrições para a 19a edição do “Eppendorf & Science Prize for Neurobiology“.  O prêmio internacional de ciência e neurobiologia, é concedido anualmente a um jovem cientista pela pesquisa neurobiológica mais notável, baseada em métodos de biologia molecular e celular, que tenha sido conduzida pelo profissional durante os últimos três anos. O objetivo é encorajar e apoiar o trabalho de jovens neurobiologistas promissores, com até 35 anos de idade.

Desde 2002, o “Eppendorf & Science Prize for Neurobiology” reconhece a crescente importância da pesquisa neurobiológica para o avanço da nossa compreensão de como o cérebro e o sistema nervoso funcionam, em uma busca que parece ainda crescente pelas próximas décadas.

As inscrições vão até 15 de junho e estão abertas para cientistas de todo o mundo. Este ano, o valor do prêmio será de 25 mil dólares. Mais informações AQUI.

O vencedor do “Eppendorf & Science Prize for Neurobiology” será selecionado junto a três finalistas, por um conselho independente de cientistas presidido pelo editor sênior da revista Science, Peter Stern. O ensaio do vencedor – que deve ter ao menos mil palavras – também será publicado na revista, com direito a uma assinatura digital gratuita de 10 anos, além de um bônus de mil dólares em produtos Eppendorf.

O prêmio será entregue em cerimônia realizada em conjunto com a Reunião Anual da Society for Neuroscience, em novembro de 2021. A Eppendorf oferecerá suporte total de logística, para que o vencedor participe deste evento. Posteriormente, ele/ela também será convidado para uma visita à sede da Eppendorf em Hamburgo.

Christopher Zimmerman, Ph.D. do Instituto de Neurociência de Princeton venceu o prêmio no ano passado por seu trabalho sobre os circuitos neurais que governam a sede e o hábito de beber. Zimmerman descobriu que os sinais sensoriais originados em todo o corpo se juntam nos neurônios individuais do cérebro para produzir a sensação de sede. Ele demonstrou que essa nova classe de sinais do corpo para o cérebro prevê mudanças na hidratação antes que ocorram e, como resultado, ajusta o nosso nível de sede preventivamente. A pesquisa de Zimmerman revelou princípios fundamentais do comportamento ingestivo e forneceu mecanismos neurais para explicar aspectos da experiência humana cotidiana.

Sobre a Eppendorf
A Eppendorf, que está completando 75 anos, opera no Brasil desde 1998 na melhoria da pesquisa e trabalho de rotina em laboratórios de análises clínicas, universidades, centros de pesquisa e indústrias, em todo o mundo. Fundada em 1945, em Hamburgo, a Eppendorf possui fábricas nos Estados Unidos e Europa. Conta ainda com mais de 26 subsidiárias em diferentes países. A empresa também é pioneira no desenvolvimento e comercialização de instrumentos, desde a década de 1960, com o lançamento da primeira centrífuga com sistema de medição em microlitros no mercado, incluindo microecentrífugas, microtubos, entre outros produtos, revolucionando a investigação em biociência em todo o mundo.

Andrea Tissenbaum, a Tissen, escreve sobre estudar fora e a experiência internacional. Também oferece assessoria em educação e carreiras internacionais.
Entre em contato: tissen@uol.com.br

Siga o Blog da Tissen no FacebookTwitter e Instagram.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.