Os exames de proficiência em idiomas

Os exames de proficiência em idiomas

Andrea Tissenbaum

12 de outubro de 2021 | 13h09

Imagem: Pixabay, CCO License

Imagem: Pixabay, CCO License

Exigidos pelas universidades internacionais são oferecidos ao longo do ano com frequências bem diferentes. 

Dentre os diversos documentos a apresentar durante o processo de candidatura à universidades internacionais, o exame de proficiência no idioma do curso é sempre uma exigência, quando o candidato não estudou em uma escola ou universidade internacional. Como alguns deles são oferecidos frequentemente ao longo do ano e outros apenas algumas vezes é muito importante ficar atento aos cronogramas.

Vale lembrar que nas visitas aos sites das universidades, é bastante comum nos depararmos com o Quadro Europeu Comum de Referência para Línguas (Common European Framework of Reference for Languages – CEFR ou QERL em português) que é um é um padrão internacional para medir o nível de compreensão e expressão oral e escrita em uma determinada língua.

Em uma escala de seis pontos, a pontuação do CEFR começa no nível A1 (iniciantes) e vai até o C2 para aqueles que dominam um idioma; facilmente comparável aos resultados de qualquer um dos exames aqui apresentados.

Quadro Europeu Comum de Referência para Línguas

Quadro Europeu Comum de Referência para Línguas

> Exames de inglês:

Aceito pela maioria das universidades no mundo, é composto de quatro seções: leitura (reading), escuta (listening), fala (speaking) e escrita (writing). Durante o teste, que leva cerca de três horas para ser concluído, o candidato realiza tarefas que combinam essas quatro habilidades.

A faixa de pontuação vai de 0 a 30 em cada uma das quatro seções, totalizando 120 pontos (nota máxima). Atualmente é possível fazer o TOEFL presencialmente ou em casa (iBT Home edition).

Exigido pelas instituições de ensino do Reino Unido (e aceito pela maioria das universidades no mundo), é necessário para obtenção do visto de estudante.

Realizado presencialmente, o IELTS também é dividido em quatro seções: Reading, Listening, Speaking e Writing e leva cerca de três horas. No entanto, a sessão de Speaking consiste de uma entrevista oral, ao vivo, com o examinador. A escala de pontuação do teste vai de 1 a 9 para cada uma de suas seções e a média delas produz sua pontuação geral. Você pode pontuar valores inteiros (ex. 6 ou 7) ou pela metade (ex. 6,5 ou 7,5) nas subseções e score final.

No Brasil, o IELTS for UKVI é oferecido pelo British Council em Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo.

Exame de três horas e realizado via computador em centros de atendimento, é aceito por universidades no Reino Unido, Austrália e Nova Zelândia e necessário para obtenção do visto de estudante.

O PTE Academic UKVI também mede as quatro principais habilidades do candidato no idioma: speaking, listening, reading, and writing. No Brasil é oferecido em centros localizados em Brasília, Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo.

Totalmente online, com uma hora de duração e mais barato que os exames concorrentes é aceito por mais de três mil universidades pelo mundo. 

No DET a pontuação segue uma escala que vai de 10 a 160 e as sub-seções medem a proficiência do candidato em áreas específicas: habilidade de leitura, compreensão, conversação e produção.

> Exames de espanhol:

Diplomas de espanhol ou títulos oficiais que credenciam o grau de competência e domínio da língua espanhola, outorgados pelo Instituto Cervantes em nome do Ministério da Educação e Formação Profissional da Espanha. Os diplomas DELE têm validade indefinida.

O sistema de certificação DELE oferece seis diplomas que correspondem aos níveis de competência linguística estabelecidos no Quadro Comum Europeu de Referência para as línguas:
– Diploma DELE A1 (conhecimento básico)
– Diploma DELE A2
– Diploma DELE B1
– Diploma DELE B2
– Diploma DELE C1
– Diploma DELE C2 (maestria no idioma)

> Exames de francês:

O DELF – Diplôme d’Études en Langue Française (Diploma de Estudos em Língua Francesa) e o DALF – Diplôme Approfondi de Langue Française (Diploma Aprofundado de Língua Francesa) são os diplomas que certificam as competências em francês dos candidatos estrangeiros e que são concedidos pelo Ministério da Educação Nacional da França.

Os dois diplomas avaliam quatro competências: compreensão e expressão oral e compreensão e expressão escrita. Os titulares das versões DELF B2 e DALF estão aptos a ingressar nas universidades francesas.

As provas acontecem quatro vezes por ano. Acesse o site do France Éducation international para saber mais sobre os diplomas DELF/DALF.

> Exames de alemão:

O TestDaF é um exame linguístico de nível avançado, oferecido seis vezes ao ano que leva pouco mais de três horas. Engloba os níveis B2 e C1 da escala de seis níveis do Quadro Europeu Comum de Referência de Línguas (QECR). É a prova normalmente exigida pelas universidades.

O DAF tem quatro subseções: escrita, leitura, escuta e fala. Se o candidato é aprovado nas quatro partes do TestDaF com o nível 4, o certificado vale como comprovante de conhecimentos linguísticos para o ingresso em quase todas as áreas e cursos nas instituições alemãs de ensino superior. A prova pode ser feita em diversos centros licenciados, como o Goethe Institut, no Brasil.

Este exame de alemão para ingresso de candidatos estrangeiros em universidades, é realizado em diversas universidades na Alemanha antes das aulas começarem. Para obter informações sobre as datas dos testes o aluno deve entrar em contato com o Escritório Internacional de sua instituição de ensino.

O DSH é dividido em duas partes: escrita (70%) e oral (30%) e engloba os níveis B2, C1 e C2 do Quadro Europeu Comum de Referência de Línguas.

> Exames de italiano:

CELI, CILS e PLIDA – são os exames de italiano para ingresso nas universidades. De acordo com a legislação do país, estudantes estrangeiros devem ter um conhecimento adequado da língua italiana para a admissão em uma universidade. Geralmente, é necessário ter um nível mínimo correspondente a B2. Mas se o seu nível de proficiência for C1 ou C2 de acordo com a CEFR, não é necessário prestar o exame de italiano.

É o teste de proficiência em italiano da Universidade de Siena e abarca todos os níveis do CEFR (A1 ao C2). Subdividida em quatro seções: fala, escrita, leitura e escuta, a prova é oferecida em diversas capitais e cidades do Brasil.

  • CELI – Certificato di Lingua Italiana

É um certificado oficial emitido pelo Centro para as Avaliações e as Certificações Linguísticas (CVCL) da Universidade para Estrangeiros de Perugia. É reconhecido pelo Governo italiano, aceito mundialmente e não tem prazo de validade. 

No Brasil o CELI pode ser realizado em diversos lugares como o Instituto Italiano de Cultura, no Rio de Janeiro e São Paulo.

  • PLIDA – Progetto Lingua Italiana Dante Alighieri

Prova de proficiência em italiano da Società Dante Alighieri. O exame mede quatro habilidades básicas: ouvir, ler, escrever, falar e certifica conhecimento do nível A1 ao C2. No Brasil, o exame é oferecido em alguns centros de certificação, saiba mais AQUI.

Andrea Tissenbaum, a Tissen, escreve sobre estudar fora e a experiência internacional. Também oferece assessoria em educação e carreiras internacionais.
Entre em contato: tissenglobal@gmail.com

Siga o Blog da Tissen no FacebookTwitter e Instagram.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.