O passo a passo para estudar no exterior

O passo a passo para estudar no exterior

Andrea Tissenbaum

03 de agosto de 2021 | 12h10

Foto: Jukan Tateisi, via Unsplash

Foto: Jukan Tateisi, via Unsplash

As candidaturas para os programas de ensino internacionais abrem entre agosto e outubro de 2021. Prepare-se bem para fazer a sua!

As candidaturas para programas de ensino no exterior em 2022 já começaram a abrir e você, que tanto quer estudar fora do Brasil, se já não fez isso, ainda pode começar a se preparar. É hora de “arregaçar as mangas” e organizar seus pensamentos, escolher seu destino e organizar seus materiais e documentos. Tudo com muita calma, porque a pressa, neste caso, é inimiga da perfeição.

  1. Faça um “mergulho” interno

No penúltimo post publicado aqui no Blog, já falamos que autoconhecimento é chave para estudar no exterior e algumas perguntas são fundamentais para dar andamento ao seu projeto: por que você quer estudar fora do Brasil, quais são as suas expectativas? Como foram ou são suas notas, seu desempenho e dedicação nos estudos? Quais são seus interesses e habilidades? Como você é como pessoa? O que quer estudar?

Compreender bem seu perfil vai ajudar você não só a fazer escolhas adequadas, como também a descobrir onde poderá se desenvolver melhor como estudante e como pessoa. Reflita sobre a sua trajetória acadêmica e profissional. Converse com professores e outras pessoas que possam te avaliar.

  1. Defina qual curso ou programa você quer fazer no exterior 

Sim, entender o que você quer fazer fora do Brasil é fundamental para dar sequência aos seus objetivos. Melhor ainda se já souber o que quer estudar. A variedade de programas é imensa e  muitos deles são interdisciplinares, combinando diferentes áreas em um só curso. Essa realidade é particularmente voltada aos que querem fazer uma graduação completa, uma especialização ou uma pós-graduação: MBA, mestrado ou doutorado.

Para quem quer passar menos tempo fora, um intercâmbio universitário, cursos de curta duração, idiomas ou de assuntos específicos podem ser boas soluções.

  1. Em que idioma estudar? 

É sempre melhor ir para um país no qual você vai estudar em uma língua que já domina. Além disso, como a maioria das instituições de ensino exigem uma prova de proficiência, inclusive para cursos de verão ou de curta duração, não vale a pena correr riscos desnecessários.

Se você quiser aprender um terceiro idioma, faça isso durante o seu tempo no exterior. As universidades costumam oferecer excelentes cursos gratuitos ou a um custo muito baixo.

  1. A condição financeira: eu quero vs. eu posso

Quando o assunto é dinheiro, é fundamental ter os dois pés no chão, até porque isso será um fator de peso na escolha da cidade e da instituição de ensino onde quer estudar. Normalmente a estimativa de gastos com moradia e alimentação gira em torno de 800 a 1.500 dólares/euros mensais. Eu sei, essa quantia é bastante considerável quando pensamos em reais, mas em diversos países ela é sinônimo de uma vida bem modesta e é bastante normal estudantes viverem com um orçamento bem restrito.

Outra opção é procurar por uma bolsa de estudos. Há uma oferta grande (especialmente para pós-graduação) e muita gente consegue estudar fora com apoio integral. Pesquise os sites das universidades e as oportunidades mundo afora. Leia pacientemente tudo que cair nas suas mãos.

Para quem quer fazer cursos de idioma ou de curta duração, esta possibilidade é mais remota, mas volta e meia aparecem concursos interessantes. Lembre-se, quem é persistente acaba conseguindo. 

  1. Em quais instituições de ensino gostaria de estudar?

Para chegar a um grupo de universidades compatível com a sua realidade é imprescindível que você faça um combinado do seu perfil, interesses e desempenho acadêmico. Navegue pelos sites, analise os currículos dos cursos oferecidos, as exigências, expectativas e custos de cada um deles. Avalie as experiências de outros estudantes e, quando possível, converse com eles – alguns sites oferecem essa possibilidade. 

Procure consultores especializados para definir melhor suas escolhas e participe das feiras de intercâmbio para tirar suas dúvidas com representantes das instituições de ensino. As possibilidades de apoio são infinitas, não deixe de fazer bom uso delas.

Importante: para os que querem fazer uma especialização ou pós-graduação o processo é um pouco diferente, uma vez que as escolhas estão relacionadas a uma área de interesse profissional específica. Por isso, é importante que você conheça as escolas, currículos e corpo docente e compreenda quais preenchem suas necessidades acadêmicas e pessoais. Fale com seu orientador ou com professores que acompanharam sua trajetória, assim poderá definir com mais segurança para quais programas deve se candidatar.

  1. Escolha BEM a cidade onde quer viver

Estou falando de questões simples, como definir suas preferências pessoais: grandes centros urbanos vs. cidades pequenas, frio vs. clima mais ameno. Acredite, isso não é um “detalhe” nessa aventura e saber o que você gosta ou não gosta faz toda diferença. 

Por isso, pesquise os lugares e as culturas das universidades, saiba como é o cotidiano de um estudante por lá e quais são as opções oferecidas fora da sala de aula. Converse com pessoas que moram ou já moraram nesses locais. Sua experiência será muito mais rica se estiver bem preparado para a sua chegada.

  1. Prepare seus documentos e materiais para fazer sua candidatura

Uma vez definidos todos os quesitos acima, você poderá dar início ao seu application. Alguns processos são bem simples e não exigem nenhuma documentação especial. No entanto, para cursos mais prolongados, as demandas mudam.

Você certamente terá que mandar fazer uma tradução juramentada do seu histórico escolar e diploma, fazer exames, preparar seu currículo e preencher formulários. Também terá que escrever um essay ou personal statement e, em muitos casos, solicitar cartas de recomendação de professores ou profissionais com quem já trabalhou.

Para graduação nos Estados Unidos, os exames mais comuns são o SAT ou o ACT. Em Portugal e no Canadá o ENEM é aceito por diversas universidades; em outros países como Reino Unido e Holanda, ele pode ser solicitado.

Para quem vai fazer uma pós-graduação nos Estados Unidos, vale lembrar que o GRE ou o GMAT são os exames solicitados por quase todas as universidades americanas. Algumas instituições de ensino europeias também podem pedir um deles e isso pode ser conferido nos requisitos para candidatura.

  1. Organize seus documentos 

Uma vez aprovado pela instituição de ensino, você vai ter que cuidar de assuntos burocráticos como passaporte, visto de estudante, passagem aérea e seguro de saúde.  Confira se o seu passaporte estará valido pelo tempo em que vai ficar fora. Com a carta de aceitação da instituição de ensino em mãos, procure o consulado do país que emitirá seu visto de estudante e dê entrada nos papéis. Compre suas passagens com calma, os preços variam muito e a oferta é grande.

Se você tem dupla-cidadania, lembre-se que precisará dos dois passaportes para poder viajar. Para sair do Brasil precisa ter o passaporte brasileiro em mãos e para entrar em seu novo destino o que confere sua dupla-cidadania.

Boa jornada!

Andrea Tissenbaum, a Tissen, escreve sobre estudar fora e a experiência internacional. Também oferece assessoria em educação e carreiras internacionais.
Entre em contato: tissenglobal@gmail.com

Siga o Blog da Tissen no FacebookTwitter e Instagram.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.