Estudar na cidade de Nova York

Estudar na cidade de Nova York

Andrea Tissenbaum

11 Abril 2017 | 09h59

Columbia University | Foto: Momos, via Wikimedia Commons

Columbia University | Foto: Momos, via Wikimedia Commons

A metrópole que nunca dorme, oferece uma concentração de universidades de ponta e atrações para todos os gostos. 

Tenho uma paixão antiga pela cidade de Nova York. Acho que por seu dinamismo, por ser um centro cultural extraordinário, pela diversidade que transpira nos rostos das pessoas o tempo todo nas ruas. Durante muitos anos, New York City foi um destino certo. Estadias bem prolongadas me permitiram explorar a cidade e muitos dos seus recantos. Mesmo com pouco dinheiro.

A Big Apple, apelido que recebeu na década de 70 e que rapidamente se popularizou, é o lugar onde as coisas acontecem. Pouco mais de oito milhões de pessoas vivem em NY. A imponente metrópole, às vezes lembra uma torre de babel. É que seus moradores vêm de todas as partes do mundo.

Central Park | Foto: Ingfbruno, via Wikimedia Commons

Central Park | Foto: Ingfbruno, via Wikimedia Commons

A cidade tem cinco distritos ou boroughs – Manhattan, Brooklyn, Bronx, Queens e Staten Island – todos com características bem próprias. E essa selva de pedra, que mistura prédios históricos com construções modernas e tecnológicas, tem sua paisagem suavizada pelo rio Hudson, e por seus vários parques e áreas verdes. O principal deles, o gigantesco Central Park, é palco diário de diversos eventos esportivos, artísticos e culturais. Outro favorito dos locais é o Hudson River Park, às margens do rio.

Conhecida por sua longa trajetória como porta de entrada para imigrantes nos Estados Unidos, NY carrega a fama de ser o lugar ideal para quem quer realizar o sonho americano. De fato, as promessas de oportunidade, prosperidade, liberdade e autonomia de pensamento são parte dos atrativos que levam milhares de pessoas a estudar em Nova York.

Cornell Weill Medical College | Foto: Dan Dickinson, via Flickr

Cornell Weill Medical College | Foto: Dan Dickinson, via Flickr

Boas escolhas não faltam. Columbia University e Cornell, fazem parte do grupo das oito mais prestigiadas instituições de ensino americanas – as famosas Ivy League Schools. E estão ranqueadas pelo Times Higher Education, como a 16ª e 19ª melhores do mundo, respectivamente. É verdade que o grande campus de Cornell fica em Ithaca, ao norte do estado. Mas sua forte presença se faz sentir pela escola de medicina, as escolas de engenharia financeira e arquitetura, e Cornell Tech, cujos campi ficam em Manhattan e Chelsea.

Campus NYU | Foto: Cincin12, via Wikimedia Commons

Campus NYU | Foto: Cincin12, via Wikimedia Commons

New York University (NYU) e a The New School (que inclui a Parsons School of Design), escolas excepcionais, também ficam em Manhattan. A Yeshiva University – a mais antiga universidade judaica dos EUA, City University of New York (CUNY), e Fordham University têm unidades espalhadas por Manhattan, Bronx, Queens e Brooklin. Do outro lado do rio, em New Jersey, o Stevens Institute of Technology, oferece qualidade de ensino e uma incrível vista para a Big Apple.

A cidade atrai todo tipo de artistas interessados em uma educação formal. Não é à toa que a Juilliard School, famoso conservatório de dança, teatro e música, tem sua sede única em Manhattan.

Juilliard School | Foto: Brian Lauer, via Flickr

Juilliard School | Foto: Brian Lauer, via Flickr

Fernando Fisbein, arquiteto curitibano, tem 30 anos e vive em Nova York desde 2011. Atualmente trabalha com o escritório de arquitetura britânico Grimshaw Architects. Mestre em história da arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná, foi para NY fazer um novo mestrado em projeto avançado de arquitetura na universidade de Columbia.

Fernando Fisbein com colega na Columbia Graduate School of Architecture Planning and Preservation | Foto: Fernando Fisbein

Fernando com colega em Columbia | Foto: Fernando Fisbein

“Eu escolhi estudar em Columbia por causa de sua proposta experimental. A escola funciona como um laboratório para testar novas ideias sobre possíveis atitudes arquitetônicas numa sociedade global. Atitudes essas que possam permitir às pessoas verem o mundo a partir um ponto de vista diferente, e talvez viver de uma outra forma”, ele conta.

“Columbia é uma universidade vibrante. A troca de informação acontece não só nos auditórios e bibliotecas, mas também nos coffee shops e diversos eventos. Constantemente há oportunidades para criar conexões profissionais. Depois de formados, os alunos passam a fazer parte do Columbia Alumni Association, e estabelecem um laço vitalício com a universidade que continua a oferecer benefícios acadêmicos, culturais e sociais”, complementa.

Fernando Fisbein com Peter Eisenman, arquiteto e teórico da arquitetura norte-americana, um dos principais representantes do desconstrutivismo | Foto: Fernando Fisbein

Fernando com Peter Eisenman, renomado arquiteto americano | Foto: Fernando Fisbein

Uma questão em Nova York é o alto custo de vida. No entanto, a experiência realmente compensa e os estudantes, como sempre, se viram. “Eu acho que aplicando para bolsa de estudos, tendo sorte de ganhar na loteria do student housing e cozinhando muito não tem erro”, explica Fernando, que se tornou um fera em gastronomia!

Acredite, você estará em um dos mais importantes centros artísticos, culturais, empresariais, da moda e do entretenimento do mundo. Isso sem falar na oportunidade de viver em uma cidade verdadeiramente multicultural.

Empire State Building | Foto: Eric Kilby, via Flickr

Empire State Building | Foto: Eric Kilby, via Flickr

Uma das poucas cidades americanas que oferece uma pegada cosmopolita, sofisticada e definitivamente internacional, Nova York abriu os horizontes do jovem arquiteto. “Para mim, valeu muito a pena. Especialmente por poder começar a ver o mundo pela ótica de uma nova cultura. Eu acredito que o futuro das cidades são as metrópoles. Cidades que identificam e celebram capitais sustentáveis: naturais, humanos, sociais, manufaturados e financeiros. Precisamos nos acostumar com a diversidade e com a densidade”, ele explica.

Nova York é uma cidade que não dorme. Há sempre alguma coisa acontecendo pelas ruas e distritos, para todos os gostos. Manhattan abriga importantes museus como o The Metropolitan Museum of Art, American Museum of Natural History, Museum of Modern Art, Cloisters, Guggenheim, e o Whitney, dentre muitos outros. Todos oferecem entrada gratuita para estudantes em alguns dias ou noites da semana. Para mim são parada obrigatória, que recomendo mesmo para quem não seja um grande fã de arte.

Broadway | Foto: Melfoody, via Flickr

Broadway | Foto: Melfoody, via Flickr

Para quem gosta de musicais, a Broadway é o endereço certo. No Carnegie Hall, shows e concertos memoráveis fizeram e ainda fazem história. E o complexo artístico Lincoln Center deve entrar na agenda dos amantes de música clássica, ópera e dança. Quer comprar entradas mais baratas? O Tkts Discount Booth oferece descontos incríveis.

Manhattan é dividida em três partes: Downtown – mais histórica, Midtown – comercial e empresarial, e Uptown – predominantemente residencial e extremamente luxuosa. É lá que se encontram os principais pontos turísticos da cidade. Mas andar nas ruas e descobrir a cidade a cada dia é o ponto alto da experiência nova-iorquina. Essa é a melhor maneira de enxergar novidades e entender sua efervescência.

Para quem não gosta muito de caminhar, a cidade inteirinha pode ser desbravada de metrô. O New York City Subway é um dos mais antigos e extensos sistemas de metrô do mundo. Se você usa bastante metrô ou ônibus, o MetroCard oferece planos semanais e mensais.

High Line | Foto: MikePeel, via Wikimedia Commons

High Line | Foto: MikePeel, via Wikimedia Commons

Há muito para fazer de graça ou quase! Caminhe pelo High Line ou pela Brooklin Bridge, assista a concertos e shows nos parques ou no Lincoln Center. Vá de balsa até Governors Island, o passeio é gratuito e oferece vistas espetaculares do porto. Quem gosta de livros deve visitar a  New York Public Library, onde a entrada é gratuita. Relaxe ou estude no Central Park, e não deixe de levar seu laptop, tem wi-fi! Outras opções você encontra no Time Out New York, e nas ofertas culturais para estudantes do site StudentRush.org.

Se você quiser ter uma visão panorâmica da cidade, visite o topo de famosos edifícios, como o Rockefeller Center e o Empire State Building. Atravesse a Brooklyn Bridge a pé, a vista do rio Hudson e da cidade é de tirar o fôlego. Faça o passeio alternativo até a estátua da liberdade com o Staten Island Ferry que é muito mais barato.

Brooklyn Bridge | Foto: Beyond My Ken, via Wikimedia Commons

Brooklyn Bridge | Foto: Beyond My Ken, via Wikimedia Commons

E agora feche os olhos. Imagine-se deitado no gramado do Central Park lendo um livro. No fone de ouvido, a canção símbolo da cidade na voz de Frank Sinatra: “If I can make it there, I’m gonna make it anywhere, It’s up to you, New York, New York”.  Não, você não está pensando muito alto. Outros conseguiram, porque não dar uma chance?

Andrea Tissenbaum, a Tissen, escreve sobre estudar fora e a experiência internacional. Siga o Blog da Tissen no Facebook e no Twitter.