Conheça o visto para estudar e trabalhar na Nova Zelândia

Conheça o visto para estudar e trabalhar na Nova Zelândia

Andrea Tissenbaum

20 de agosto de 2019 | 15h55

Queenstwon, Nova Zelândia | Foto: Andrea Tissenbaum

Queenstwon, Nova Zelândia | Foto: Andrea Tissenbaum

Inscrições para o programa Working Holiday Visa abrem amanhã, 21/08, às 19h00. Apenas 300 vistos serão concedidos a brasileiros entre 18 e 30 anos. Veja como fazer!

Anualmente, o governo da Nova Zelândia concede vistos de trabalho e estudo a brasileiros, por meio do programa Working Holiday Visa – WHV. Especialmente voltado à pessoas que desejam conhecer o país, o WHV permite que, ao longo de um ano, intercambistas experimentem como é viver na Nova Zelândia. Então, se você está buscando uma oportunidade de estudar e trabalhar em um país com uma qualidade de vida excepcional, o momento certo chegou.

Para participar, é necessário pagar uma taxa de 208 dólares neozelandeses para que a Imigração da Nova Zelândia possa processar sua inscrição. A taxa é paga online, por meio de cartão de crédito.

Como você pode imaginar, o processo é bem concorrido já que apenas 300 vistos serão concedidos. Por isso, quando as inscrições abrirem, esteja em um local que tenha uma ótima conexão com a internet.

Para quem está no Brasil, as inscrições abrem amanhã, 21 de agosto, às 19h e devem ser feitas online, em inglês. Se você é brasileiro e está na Nova Zelândia neste momento, sua inscrição pode ser feita a partir das 10h (horário neozelandês) do dia 22 de agosto. Caso seu visto temporário atual expire antes do novo visto ser concedido, um visto provisório será emitido para que possa permanecer legalmente no país.

Durante a estadia na Nova Zelândia, intercambistas podem estudar ou fazer treinamentos, desde que a duração dos mesmos não ultrapasse seis meses. Não podem aceitar um emprego permanente ou trabalhar para o mesmo empregador por mais de três meses. Também não podem levar dependentes. Se têm um parceiro que também queira ir para a Nova Zelândia, o mesmo precisará solicitar seu próprio visto.

A intenção do programa é que os viajantes não se fixem em nenhum lugar em particular e rodem o país. Assim podem conhecer as mais diversas pessoas e experimentar as mais variadas situações.

Requisitos para tirar o Working Holiday Visa:

  • Ser cidadão brasileiro e ter passaporte válido por até seis meses após a data planejada para a sua viagem
  • Não ter sido aprovado para o Working Holiday Visa anteriormente
  • Ter entre 18 e 30 anos de idade no momento em que solicitar o visto
  • Viajar sem filhos
  • Ter uma passagem de volta ao Brasil ou comprovar recursos para compra-la
  • Ter dinheiro suficiente para bancar sua estadia na Nova Zelândia (pelo menos NZ$ 4.200)
  • Pagar a taxa de visto específica
  • Estar saudável –  alguns exames são exigidos para completa aprovação do visto
  • Ter um seguro de saúde válido por toda a estadia na Nova Zelândia
  • Viajar para a Nova Zelândia de férias – trabalhar deve ser a intenção secundária de sua viagem
  • Deixar a Nova Zelândia antes do seu visto expirar

Caso seja necessário que você forneça alguma prova dos requisitos acima, um e-mail será enviado explicando o que precisa fazer. Se sua solicitação de visto for aprovada, também receberá um e-mail avisando que o status de sua inscrição foi alterado. Nesse momento, poderá verificar seu novo status online.

>> Conheça todos os detalhes para participar do programa Working Holiday Visa AQUI.

Não perca esta incrível oportunidade de passar um ano em um país lindo, com universidades de ponta, onde você certamente terá uma excelente experiência internacional!

>> Leia mais:
> Já pensou em estudar e trabalhar na Nova Zelândia?
> Estudar em Wellington, Nova Zelândia
> Estudar em Auckland, Nova Zelândia
> O Working Holiday Visa e uma experiência na Nova Zelândia

Andrea Tissenbaum, a Tissen, escreve sobre estudar fora e a experiência internacional. Também oferece assessoria em educação e carreiras internacionais.
Entre em contato: tissen@uol.com.br

Siga o Blog da Tissen no InstagramFacebook Twitter.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.