Qual é a melhor idade para começar a aprender uma segunda língua?

Qual é a melhor idade para começar a aprender uma segunda língua?

Berlitz Brasil

30 Novembro 2016 | 13h08

shutterstock_140772838

 

*Rosemary Paulon

Volta e meia somos procurados por pais, alunos ou não do Berlitz, especialmente de filhos pequenos, com uma dúvida: “será que já está na hora do meu filho começar a aprender um idioma”? Eles têm uma preocupação: não querem que os filhos enfrentem as dificuldades que enfrentaram por começar a ter aulas já adultos.

Esses pais sabem que a educação global e a realização profissional e pessoal seguirão juntas ao longo de toda a vida de seus filhos. A demanda por ascender a patamares mais elevados na formação acadêmica é cada vez mais visível na sociedade atual. Essa ampliação de aspirações decorre não apenas do crescimento econômico, mas também da valorização da educação como estratégia de melhoria de vida e empregabilidade.

Frente a esse cenário, não podemos deixar de reforçar a importância do domínio de um segundo idioma, e afirmar também que, cada vez mais, se torna mandatório o domínio do Inglês e do Espanhol na formação dos jovens. Na infância, a pronúncia e a fluência se desenvolvem naturalmente, permitindo um excelente aproveitamento. Crianças bilíngues ou multilíngues apresentam um ótimo resultado em seu desempenho na escola, na elaboração de testes, admissões de faculdades, e consequentemente em suas carreiras profissionais.

Quanto mais cedo se iniciar o contato com outro idioma, melhor. Para uma criança aos três, quatro anos de idade aceitar outro idioma é fácil, ela nem questiona. O aprendizado é natural e espontâneo, por fazer parte de seu processo de desenvolvimento, e é percebido como mais uma característica do ambiente em que vive.

Pesquisas mostram que elas são mais receptivas ao aprendizado de um segundo idioma. E sabe por quê? Uma das principais explicações técnicas é que, na infância, 5% do esforço se dá no nível consciente e 95% no inconsciente, de forma intuitiva. Na vida adulta, essa relação se inverte e acaba exigindo um esforço brutal do nosso cérebro.

No entanto, há que dar às crianças um programa dinâmico, divertido e eficaz, que as ajude a construir um domínio prático do idioma, utilizando material didático que interaja com personagens do mundo infantil.

Expor as crianças à pronuncia e ao ritmo de fala nativos desde cedo permite que aprendam o idioma autêntico. Por meio do contato com diferentes perspectivas e heranças étnicas, ganham uma experiência direta de diversas culturas e valores. Isso vale para todos. No caso dos jovens, para atingir esses objetivos é preciso utilizar elementos de seu mundo cultural e digital. Experiência não nos falta para dar essas orientações aos pais que nos procuram: desde 1982, o Berlitz oferece programas de aprendizado de idiomas direcionados às crianças e aos adolescentes, por meio do mundialmente reconhecido Método Berlitz ®.

*Rosemary Paulon é Diretora Kids – Berlitz Brasil

Mais conteúdo sobre:

idiomaskidsensino idiomasinfância