A importância da inovação no ensino de idiomas

A importância da inovação no ensino de idiomas

Berlitz Brasil

01 Novembro 2016 | 19h54

Foto: Werther Santana/O Estado de S.Paulo

Foto: Werther Santana/O Estado de S.Paulo

É com muito orgulho que inauguramos hoje a participação do Berlitz Brasil no Blog dos Colégios, com o intuito de levar aos jovens e pais de alunos informações e temas da atualidade para reflexão e debate. Temos muito a contribuir, pois, afinal, somos mais que uma escola de idiomas, mas também marca líder mundial em comunicação, cultura e liderança. No nosso entendimento, esses três pilares só irão contribuir para a sociedade avançar no campo da educação, da formação profissional e do cidadão global se estiverem associados à inovação.  E inovação está no nosso DNA.

A inovação tecnológica, por exemplo, sabidamente terá cada vez mais aderência entre os jovens, uma geração que cresce programando e teclando. Quem entrou mais tarde em contato com o universo digital também não está alheio a mudanças – pela primeira vez temos quatro gerações no mercado de trabalho. O aprendizado de um segundo idioma não pode prescindir das novas tecnologias diante da dinâmica atual da sociedade, movida pela urgência e grande mobilidade. Aluno e  professor devem estar aptos para se conectarem em qualquer lugar e a qualquer momento. Para isso, as plataformas de ensino e os métodos pedagógicos de uma escola de idiomas devem ser cada vez mais avançados, amigáveis e eficientes; dinâmicos, atraentes.

As mudanças estão ocorrendo de forma mais profunda e serão demolidoras – darão lugar a novos  processos e modelos de negócios sob a influência de mega tendências, das quais destaco desintermediação, hiper colaboração e compartilhamento, economia circular, protagonismo do consumidor e a quarta revolução industrial (digital). Monitoramos e buscamos estar alinhados com as inovações, de forma a levar a nossos alunos um ensino cada vez mais qualificado, personalizado e eficiente. De acordo com seu tempo e estilo.

Como estamos lidando com uma geração exposta a um mundo globalizado, precisamos prepará-la para o futuro, que envolve, obrigatoriamente, o aspecto cultural. Para falar com confiança um idioma e atingir seus objetivos de vida, há que se decodificar essa aldeia global, saber lidar com as diferenças culturais, habilidade que enriquece as relações interpessoais. Se quisermos preparar o jovem para a liderança, o empreendedorismo, temos de dar a ele meios para chegar até lá.

Nesse processo de inserção do jovem na aldeia global, ao treiná-lo para falar um novo idioma com confiança, a entender os códigos culturais, estamos também contribuindo para que se fortaleçam valores essenciais, como maior aceitação e respeito à diversidade, e o reconhecimento da nossa interdependência global em muitos níveis.

Arthur Bezerra, presidente do Berlitz Brasil