As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Uma escola para transformar ideias em oportunidades

A EBAC, que funcionará a partir de agosto, permitirá tornar a criatividade do brasileiro mais sistemática e profissional, algo essencial no mundo acelerado nervoso e totalmente conectado em que vivemos

Ana Maria Diniz

13 Maio 2016 | 13h21

Nasce em São Paulo uma escola diferente, onde será possível exercitar coisas aparentemente contraditórias como o prazer e a obrigação, a tradição e a inovação, o rigor e a liberdade, a descontração e a disciplina, tão necessárias no mundo atual.

Essa escola é a EBAC, Escola Britânica de Artes Criativas, uma instituição que vai de encontro às necessidades de um mundo acelerado, nervoso e totalmente conectado, no qual a inovação é sistêmica e as possibilidades de ação em qualquer área parecem não ter limites.

13062009_1185220024821348_3256804141349793835_n

Projetado pelo arquiteto Isay Weinfeld, o prédio da EBAC ficará na Vila Madalena

A velocidade de mudança do mundo hoje é algo que nos atormenta e ao mesmo tempo nos estimula!

Estamos em meio a um processo de transformação rápida e profunda. O modelo industrial, com suas técnicas e processos de manufatura para a produção de alimentos, bens e serviços dá lugar a uma sociedade impulsionada por ideias, onde a criatividade passa a ser o principal motor do desenvolvimento – é a chamada economia criativa.

Nesse contexto, emerge um novo tipo de profissional, valorizado pelo seu capital intelectual, pela sua capacidade imaginativa e pela produção de conhecimento. Estima-se que 150 milhões de pessoas no planeta componham este grupo, que só tende a crescer e a prosperar.

A questão é: como atuar e ser protagonista nesse mundo admirável, novíssimo, que nos encanta e ao mesmo tempo nos assusta? Saber criar, pensar, usar a imaginação e fazer conexões entre conteúdos e pessoas é imperativo. Conhecer e dominar as novas tecnologias também se torna fundamental neste cenário – afinal, elas são o drive principal da revolução que está em curso.

Mas não basta ter criatividade para se dar bem no século das ideias– fosse assim, o Brasil, reconhecido mundialmente pela criatividade de seu povo, não amargaria o 28.o lugar no Global Creativity Index 2015, ranking elaborado pela Universidade de Negócios de Toronto e apresentado, ano passado, no Fórum Econômico Mundial, em Davos.

Para prosperar, é preciso percorrer os caminhos estratégicos. E isso, definitivamente, não acontece sem educação de qualidade.

A EBAC, que funcionará a partir de agosto, permitirá tornar a criatividade natural do brasileiro mais sistemática e profissional.

A escola nasceu de uma parceria com a Universidade of Hertfordshire, de Londres, referência no ensino de disciplinas criativas.  Considerada uma das melhores do mundo, a instituição recebeu recentemente o prêmio Universidade Empreendedora do Ano, concedido pela publicação inglesa Times Higher Education.

Serão oferecidos na EBAC cursos livres técnicos e de graduação (estes, com diploma válido em toda a Europa e Estados Unidos) em design gráfico, desenvolvimento de aplicativos móveis, visualização de projetos de arquitetura, ilustração, direção de arte digital, moda, entre outros.

Tudo isso em um prédio fantástico, batizado de LAB, assinado pelo arquiteto Isay Weinfeld e erguido em meio à efervescência da Vila Madalena.

Um lugar onde se respirará excelência, inovação, tecnologia, criatividade e muito trabalho para transformar ideias em oportunidades.