Protagonismo jovem exemplar
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Protagonismo jovem exemplar

Alunos brasileiros de Harvard e do MIT organizam evento impecável para discutir desafios e propor ações para o Brasil pós-crise – e mostram que os jovens ainda acreditam, e estão empenhados, em construir um país melhor

Ana Maria Diniz

28 Abril 2016 | 15h59

Participei, este fim de semana, em Boston, da Brazil Conference at Harvard & MIT, uma série de palestras para pensar o país que queremos ser – e como, de fato, podemos chegar lá. Em sua segunda edição, o evento teve como tema central (e impreterível) o Brasil pós-crise.

Em dois dias, 52 palestrantes – mentes e talentos incríveis, de diferentes setores, como o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, os empresários Jorge Paulo Lemann e Abilio Diniz, o consultor Jim Collins, o jurista Ayres Britto e o cientista político Luiz Felipe D’Avila – compartilharam histórias, experiências e ideias com os mais de 400 participantes.

Reunir tanta gente boa e inspiradora em um só lugar já basta para fazer de qualquer conferência um sucesso. Mas, no caso da Brazil Conference, o mais interessante e surpreendente ficou, literalmente, nos bastidores. Imaginem: tudo foi inteiramente pensado e organizado, desde a concepção até os detalhes finais, por um grupo de 30 estudantes brasileiros, alunos de Harvard e do MIT. Com um orçamento baixíssimo, muito empenho e vontade (sincera) de transformar o país, eles organizaram um evento com altíssimo grau de excelência!

Tudo estava impecável. A começar pelo local escolhido– o novo e emblemático prédio do MIT Lab. Obra do japonês Fumihiko Maki, ganhador do prêmio Pritzker em 1993 (o Nobel da arquitetura), o recém-construído edifício de seis andares e vista fenomenal para o Charles River não poderia ser mais apropriado. Com instalações modernas, paredes envidraçadas, espaço amplos e claros, o lugar se revelou o ambiente ideal para brasileiros inspiradores e inspirados debaterem menos a crise atual e mais as perspectivas que temos pela frente!

Campus de Harvard: evento foi organizado por alunos brasileiros da instituição e do MIT.  Crédito: Harvard University / Divulgação

Campus de Harvard: evento foi organizado por alunos brasileiros da instituição e do MIT. Crédito: Harvard University

Na abertura, Felipe Oriá, estudante da escola de governo e políticas públicas de Harvard, a Kennedy School, deu o tom da conferência ao pontuar que os problemas do Brasil são complexos e não há saída fácil – e, portanto, deveríamos fugir de respostas ou soluções simplistas e maniqueístas, da tentação de encontrar vilões ou heróis e de determinar o certo ou o errado. Estávamos ali, continuou Felipe, para discutir as zonas cinzentas, os limites e os valores que iriam nos nortear na construção de um Brasil melhor.

Toda a conferência foi pautada a partir da premissa de que, além de discutir, é necessário chamar todos à ação – “call for action” – e foi dividida em quatro pilares:

PESSOAS: Saúde, educação, pobreza, segurança pública – o que o Brasil tem a ensinar e a aprender para melhorar a vida das pessoas?

FUNDAMENTOS: Quais as bases institucionais, políticas e econômicas necessárias para o desenvolvimento do Brasil?

MUNDO: Qual o papel do Brasil em um mundo cada vez mais integrado, no qual a sustentabilidade se impõe?

IMAGINAÇÃO: Tecnologia e inovação social – como a criatividade pode mudar a realidade do país?

Felipe Oriá, assim como Bruno Santos, Larissa Maranhão, Camila Tomimatsu e Danilo Limoeiro, são apenas alguns exemplos dos estudantes brilhantes que estão dispostos a mudar o país. Eles querem contribuir para um Brasil melhor, querem fazer a diferença, não querem só uma carreira sem propósito.

Ao final do evento, a sensação predominante era de esperança. Todos saíram de lá certos de que vivemos um momento único da história brasileira. E, se soubermos aproveitá-lo com sabedoria, podemos construir um novo país!