Como transformar nossas crianças em verdadeiros cidadãos globais
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Como transformar nossas crianças em verdadeiros cidadãos globais

Como escreveu Eamonn Kelly no livro Powerful Times, não vivemos uma época de mudança, mas uma mudança de época! Entre tantas transformações e imprevisibilidade, há uma certeza: o futuro da humanidade é global. Por isso, temos de formar alunos globalmente competentes, aptos para viver e trabalhar em qualquer lugar do planeta e para ajudar a transformá-lo num lugar melhor, com mais qualidade de vida e justiça para todos que o habitam

Ana Maria Diniz

24 Novembro 2016 | 13h07

A rigor, a globalização começou quando os primeiros humanos deixaram a África em busca de uma vida melhor em outros continentes, mas foi somente na metade do século passado que o fenômeno ganhou velocidade. A era dos aviões a jato, nos anos 50, foi o início de uma aproximação inédita de povos e culturas. A partir daí, com os avanços tecnológicos que se seguiram, as distâncias encolheram drasticamente, mudando por completo a nossa forma de viver e de se relacionar.

Como disse o jornalista americano Thomas Friedman, o mundo ficou plano.

shutterstock_259324292

Hoje, 3,2 bilhões de pessoas, cerca de 40% da população da Terra, usam a internet, segundo a União Internacional de Telecomunicações. Todos os dias, elas conversam, trocam informações e interagem por meio de 500 milhões de tweets, 1 bilhão de posts no Facebook e de 600 milhões de sites, entre outras ações. Essa interação ainda vai aumentar. Em 2025, a maioria da população mundial terá passado, numa só geração, da ausência de qualquer acesso à informação não filtrada ao acesso a toda e qualquer informação, diz Eric Schmidt, presidente da Alphabet, holding do Google, no livro A Nova Era Digital.

Enfim, as barreiras que conhecíamos há trinta anos, territoriais, econômicas ou culturais, praticamente não existem mais: os fluxos migratórios são constantes, mercadorias circulam com facilidade e a informação chega a qualquer lugar, em volume e velocidade impressionantes.

A globalização está sob fortes questionamentos, não há dúvidas. Como identificou a revista The Economist na sua edição de 30 de julho, o mundo não se divide mais entre esquerda e direita, mas entre aberto e fechado, entre os que acreditam num mundo global e integrado e os que apoiam o protecionismo. Mas a interação mundial chegou a um ponto sem retorno, irreversível.

Nosso futuro é inevitavelmente comum, como bem disse Gro Brundtland, ex-primeira-ministra da Noruega e criadora do conceito de sustentabilidade e desenvolvimento sustentável. Pensar numa sociedade integrada, interdependente, com disparidades sociais gigantescas e oriunda de culturas e histórias tão díspares, não é trivial. Esta é mais uma dimensão para a qual temos de preparar e educar nossos jovens. Aliás, talvez seja a dimensão humana mais importante de ser trabalhada daqui para a frente.

É nosso dever formar cidadãos globais, com a consciência de que precisamos pensar e agir de forma responsável sobre os recursos naturais do planeta, pois eles são finitos, de forma a respeitar e compartilhar a nossa humanidade como sociedade que tem interesse no bem comum e também em promover o progresso e gerar riqueza para todos.

Nos Estados Unidos e em muitos países da Europa, a formação de estudantes globalmente competentes já faz parte do currículo escolar. Mas o Brasil ainda não começou a fazer sua lição de casa, com algumas pontuais exceções. A boa notícia é que não é necessário mudar todo o sistema de ensino para se ensinar cidadania global. É possível introduzir conceitos em qualquer sala de aula do planeta.

Eis algumas ideias de como fazer isso:

Ensine os alunos a valorizar e a respeitar as diferenças, sejam elas étnicas, religiosas ou culturais. Use as diferenças para discutir valores diversos. Conte a história dos direitos humanos e o que isso representou em termos de avanços para a sociedade. Em contrapartida, fale sobre os principais conflitos em curso e o que os motiva.

Use números e estatísticas para fazer com que os estudantes parem e pensem sobre o mundo em que vivem. Conte aos alunos, por exemplo, que 1 em 8 pessoas no mundo passa fome ou que 30% dos países estão em guerra. Neste momento, é interessante fazer comparações entre diferentes realidades, mostrando o número de mortos no conflito da Síria e no tráfico de drogas no Brasil. 

Use as notícias para fomentar a discussão sobre assuntos relevantes. Compare os efeitos do fenômeno El Niño no clima dos Estados Unidos e do Brasil ou promova o debate sobre  a recente eleição de Donald Trump, nos Estados Unidos, e a relação disso com as turbulências políticas pelas quais o Brasil está passando.

Fale sobre povos e culturas de diferentes cantos do mundo. Mostre que é possível fazer amizade com meninos e meninas do outro lado do planeta. Aprender sobre hábitos, necessidades, desejos, inquietações e sonhos de crianças e jovens de vários cantos do globo pode ser muito rico e um caminho para se tornar um verdadeiro cidadão global.

Muitas outras coisas podem ser feitas nesse sentido. O importante é dar o primeiro passo!