Daniel Teixeira/AE
Daniel Teixeira/AE

Volta às aulas: a vez da terceira idade

Idosos estudam de psicologia a história em cursos montados sob medida pelas faculdades

Mariana Lenharo, do Jornal da Tarde,

30 Janeiro 2012 | 21h54

SÃO PAULO - Se antigamente eram os jovens que se preparavam para a volta às aulas em fevereiro, hoje a história é outra. Os idosos têm cada vez mais interesse, tempo e disposição para se engajar em cursos e atividades culturais. Em São Paulo, o mês vai começar cheio de novas opções, pagas e gratuitas, para eles (conheça algumas abaixo). Neste ano, tem faculdade criando até núcleo específico de cursos para esse público.

 

Há currículos tanto de atividades específicas para essa faixa etária como também a possibilidade de frequentar aulas junto com os alunos regulares nas melhores universidades da capital. “Hoje, existe a perspectiva da educação ao longo da vida. Tempos atrás, a vida era compartimentada: a infância e a adolescência eram as épocas de se aprender e a velhice, de se aposentar”, diz a professora Meire Cachioni, do curso de Gerontologia da Universidade de São Paulo (USP).

 

Meire foi uma das responsáveis pela implantação do programa Universidade Aberta à Terceira Idade (UnATI) na USP Leste, em 2006. Se, naquele ano, foram registradas 60 matrículas, hoje a unidade oferece mais de 500 vagas para idosos a cada semestre. No campus Butantã, a iniciativa existe desde 1993. Outras instituições públicas, como a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e a Universidade Estadual Paulista (Unesp), já abriram as portas para os mais experientes.

 

Faculdades particulares também têm olhado com bastante atenção para o público idoso. A Fundação Armando Alvares Penteado (Faap), por exemplo, lança neste ano o Núcleo de Cursos para a Terceira Idade, com programação semestral que inclui aulas de Arte e Experiência Estética, Tecnologias da Informação e da Comunicação, além de Qualidade de vida na Maturidade.

 

De acordo com a psicóloga Valéria Lasca, coordenadora do núcleo, pesquisas indicam que existe um número significativo de idosos vivendo em bairros como Higienópolis e Santa Cecília, próximos à Faap. “Identificamos que seria interessante a faculdade oferecer à população de meia-idade um espaço de educação continuada. Com a inversão da pirâmide etária, é preciso proporcionar um envelhecimento digno, com programas voltados a essa faixa e coordenados por especialistas.”

 

A psicóloga destaca o novo perfil do idoso: “Hoje, existem pessoas que começam projetos de vida depois dos 60 anos. Resolvem aprender um novo idioma ou estudar informática, por exemplo.”

 

Outra opção voltada exclusivamente para esse grupo é a Faculdade Aberta para a Maturidade Ativa (Fama), fundada há mais de 20 anos. A diretora, Cristina Fogaça, mestre em Gerontologia pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP), conta que a ideia para a criação do curso veio quando sua mãe, também educadora, chegou à terceira idade.

 

Diferentemente do que ocorre em outras faculdades, os alunos têm voz ativa na escolha das disciplinas. “Não há um currículo imposto. Apresento uma lista de opções de matérias, das quais eles escolhem oito por semestre”, explica. O currículo muda a cada nove semanas e não existe um período para se formar. Ninguém está ali para pegar um diploma e correr para o mercado de trabalho. O prazer de aprender é que motiva os alunos, alguns fieis à faculdade há 20 anos.

 

Apesar da seriedade das disciplinas, que incluem Geopolítica, Filosofia, História e Psicologia, a iniciativa ainda sofre preconceito. Segundo Cristina, alguns acham que, em uma faculdade voltada à terceira idade, as disciplinas só poderiam ser tricô, crochê e fofoca.

 

A professora aposentada Cleonice Arroio de Almeida, de 70 anos, prova o contrário. Ela estuda há 16 anos na Fama. Por quê? “Primeiro, é pelo relacionamento humano. Segundo, as aulas têm uma dinâmica muito boa para trabalhar a memória. Embora não faça provas, as aulas são muito participativas. Lá, você não é um simples ouvinte, é participante”, garante.

 

OPÇÕES

 

Cursos gratuitos

 

USP Leste - Universidade Aberta à Terceira Idade

Av. Arlindo Béttio, 1000, Ermelino Matarazzo

Inscrições: 30/1 a 3/2. Idade mínima: 60 anos. Mais informações: 3091-1016 ou each.uspnet.usp.br/ccex/folderunati-1-2012.pdf

 

USP Butantã - Universidade Aberta à Terceira Idade

Rua da Praça do Relógio, 109, Cidade Universitária, Butantã

Inscrições: A partir de 27/2. Idade mínima: 60 anos. Mais informações: 3091-3348 ou www.usp.br/prc/programas/3idade/index.php

 

Unesp - Universidade Aberta à Terceira Idade

Rua Dr. Bento Teobaldo Ferraz, 271, Barra Funda

Inscrições: Fevereiro (data ainda não definida). Idade mínima: 60 anos. Mais informações: 3393-8546 ou www.iaunati.wordpress.com/inscricoes

 

MuBE - Curso “Faça Memórias, Cultural”

Rua Alemanha, 221, Jardim Europa

Inscrições: Até 10/2. Público: Idosos com perda de memória ou Alzheimer de grau leve a moderado. Mais informações: 2594-2601 (Ramal 21) ou www.mube.art.br/cursos

 

Cursos pagos

 

Faap: Núcleo de Cursos para a Terceira Idade

Idade mínima: 45. Informações: 3662-7449 ou www.faap.br/pos

31/1, às 15h: Palestra gratuita ‘Memória: exercite sua mente’

 

PUC: Universidade Aberta à Maturidade (Câmpus Ipiranga)

Idade mínima: 40. Informações: 3124-9600 ou www.cogeae.pucsp.br/cogeae/curso/596

 

Faculdade Aberta para a Maturidade Ativa

Idade mínima: 45 anos. Mais informações: 5521-8561

30 e 31/1, às 13h30: Aula inaugural gratuita “O idoso na novela brasileira”

 

Uni Sant’Anna (Uni Sênior)

Idade mínima: 40 anos. Mais informações: 2175-8000

Mais conteúdo sobre:
Cursos livres Idosos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.