Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Pais devem avaliar valor da mensalidade, distância e locomoção

Especialista chama a atenção para a análise do custo e do benefício de se mudar um filho de escola; alto preço não significa qualidade

Tatiana Cavalcanti e Camila Santos, Especiais para o Estado

20 Setembro 2015 | 03h00

A psicóloga e orientadora educacional do Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, Tania Maria Tupy, chama atenção para a análise do custo e do benefício de se mudar um filho de escola. “O alto preço de uma escola não significa, necessariamente, que ela é a melhor. Há excelentes instituições com bons projetos pedagógicos com valores mais acessíveis e justos.”

A especialista explica que a escola de boa qualidade é aquela que propicia ao aluno um desenvolvimento acadêmico de excelência aliado à formação integral do cidadão autônomo e respeitador das diferenças existentes entre as pessoas. “Os pais devem avaliar aspectos mais pragmáticos, como valor da mensalidade e mobilidade urbana.”

Sem condições de continuar arcando com o preço de uma escola privada, a gerente administrativa Maria Auxiliadora Dobarco Filha, de 41 anos, matriculou a filha Tamiris, de 17, na Escola Técnica Estadual (Etec) Carlos de Campos, no Brás, na região central.

“A mensalidade cara já não cabia no meu orçamento”, explica Maria Auxiliadora. “Decidimos mudar, também, para sair do universo da escola particular, onde ela sofreu bullying no 7.º ano. Queria que ela se jogasse mais no mundo mesmo.”

Distância e locomoção. Para Tamiris, a mudança mais gritante foi a locomoção, segundo a mãe. “Antes ela estudava a menos de um quilômetro de casa. Hoje demora uma hora para chegar. Ela fica dentro de um ônibus lotado e enfrenta muito trânsito.”

Tania Maria, do Liceu de Artes e Ofícios, ressalta que a localização da escola deve ser levada em conta na escolha, pois as condições e o tempo gasto no deslocamento contribuem para desgaste físico e mental do aluno. “O ideal é que a escola esteja em um lugar de fácil acesso, com opções de transporte e segurança no entorno.”

O padre Geraldo Lacerdine discorda e destaca que um dos maiores equívocos é se guiar pela objetividade e decidir por um colégio pela localização. “É importante conhecer seu filho e escolher a escola adequada para ele, e não a melhor para a praticidade dos adultos.”

Mais conteúdo sobre:
Escolas Colégios Educação Pedagogia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.