1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Unicamp gasta 102% do orçamento com salários

- Atualizado: 02 Março 2016 | 07h 30

Desde 2011, esta é a segunda vez que os salários ultrapassam a arrecadação mensal da Universidade Estadual de Campinas

Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) 

Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) 

SÃO PAULO - Em crise econômica, a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) bateu “recorde” e já compromete mais de 100% de seu orçamento só com o pagamento de salários em fevereiro deste ano. De acordo com o balanço divulgado pela Assessoria de Economia e Planejamento da reitoria, o comprometimento acumulado foi de 101,91% do orçamento.

Desde 2011, essa é a segunda vez que os salários ultrapassam a arrecadação mensal da universidade - a última havia ocorrido em fevereiro de 2014, mas com porcentual menor: 100,31%. Isso significa que a liberação financeira do Estado à Unicamp foi de R$ 158,6 milhões em fevereiro, mas os salários acumularam gasto de R$ 166,7 milhões.

Situação semelhante já é enfrentada pelas outras universidades estaduais, USP e Unesp, que gastaram, respectivamente, 104,7% e 98,07% de seus orçamentos com a folha.

As instituições têm como recurso principal uma cota de 9,57% da arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que tem diminuído no Estado em função da crise econômica. As universidades já pediram aumento da cota de ICMS para 9,907%, mas a solicitação não foi atendida pelo governo estadual.

Em nota, a Unicamp informou que a arrecadação de ICMS é sazonal, e em fevereiro geralmente se arrecada menos, em razão de feriados e menos dias úteis e, por isso, a folha de pagamentos ultrapassou o orçamento mensal. 

“Os valores de folha de fevereiro são menores que os valores de janeiro. O aumento de comprometimento se deve à questão da receita de fevereiro”, disse, complementando que isso deve ser “minimizado” com picos de arrecadação nos próximos meses. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EducaçãoX