Unicamp e Unesp criam disque-denúncia de trotes violentos

Funcionários e professores das universidades vão monitorar recepção dos calouros nos campi

Tatiana Fávaro, da Agência Estado,

08 Fevereiro 2010 | 13h31

Autoridades acadêmicas dos campi da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Rio Claro e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) contam com a rede de funcionários, professores e cidadãos para monitorar e tentar impedir qualquer manifestação violenta na recepção de seus calouros.   Veja também: Estudantes comparecem ao 1º dia de matrículas na USP e PUC  MPF declara guerra à violência no trote  O trote é importante para recepcionar os calouros? Acompanhe tudo sobre educação no Estadão.edu     As duas universidades divulgam, por meio de panfletos, cartas, cartazes e pela mídia telefones para denúncias de trotes constrangedores ou violentos. Os alunos que se sentirem coibidos podem usar os mesmos números para denunciar as ações violentas e não precisam se identificar.   De acordo com Eliana Corrêa Contiero, diretora do Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Unesp, onde a matrícula será feita entre esta segunda e terça-feira, qualquer abuso pode ser avisado pelo telefone (19) 3526-9004. "Existe uma preocupação muito grande dentro da Unesp e fazemos reuniões com os diretórios acadêmicos para conscientizar os veteranos para a importância de não haver trote", disse.   "Alguns veteranos pintam os calouros e cortam seus cabelos, quando os calouros concordam, mas não há nos últimos anos registro de trote violento aqui no campus", afirmou o supervisor de graduação do Instituto de Geociências, Geraldo Forti.   O diretor do Instituto de Biociências, Ronaldo Carbinatto, disse que além dos telefones (19) 3526-4101 ou (19) 3526-4102, a unidade tem o apoio de uma comissão de recepção de alunos que acompanhará nesta segunda e terça-feira, no dia 19 (matrícula da lista de espera) e em 1º de março (primeiro dia de aula) as atividades no campus.   A Unicamp realiza nesta terça-feira as matrículas dos 3.444 aprovados em primeira chamada nos 66 cursos do vestibular 2010. A universidade preparou uma carta para os calouros na qual deixa explícita a proibição do uso de instrumentos perfuro-cortantes (como tesoura, máquinas para cortes de cabelos) e também o consumo de bebidas alcoólicas no campus. "Você (calouro) tem o direito assegurado de não participar de atividades que considere inaceitáveis. Caso considere necessário denunciar algum tipo de ação que o constranja ou ameace de alguma forma, não hesite em entrar em contato com a coordenação de graduação de seu curso ou com a pró-reitoria de graduação", informa o documento.   A universidade deixa claro não apoiar, organizar ou legitimar ações que causem constrangimentos, como aplicação de tinturas no corpo ou cortes de cabelo. A Unicamp terá disponíveis duas linhas para denúncias de trotes violentos: (19) 3521-4738 e (19) 3521-4877. A pessoa não precisa se identificar.   Entre esta segunda e terça-feira, a Unesp de Rio Claro espera receber 485 alunos para as matrículas nos cursos de Ecologia, Ciências Biológicas, Educação Física, Pedagogia, Geologia, Engenharia Ambiental, Física, Matemática, Geografia e Ciências da Computação. Até a manhã de hoje, o Instituto de Biologia tinha distribuído 70 de 200 fichas para matrícula e o Instituto de Geociências e Ciências Exatas tinham feito 15% das matrículas de 285 aprovados no vestibular. "Não tivemos problemas com trotes nos últimos anos e hoje (segunda) o processo segue na mesma tranquilidade", afirmou o diretor do Instituto de Biociências da Unesp em Rio Claro.

Mais conteúdo sobre:
Unicamp Unesp trotes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.