Uniban segue culpando Geisy e não vai punir agressores

"Aluno da Uniban não é Taleban", disse vice-reitor, defendendo o corpo discente da universidade

estadao.com.br,

10 Novembro 2009 | 19h43

A Universidade Bandeirante (Uniban) não se arrepende da decisão de ter expulsado a estudante de Turismo Geisy Arruda, 20, só recuou da medida por causa da repercussão negativa do caso na opinião pública e não punirá os estudantes que a perseguiram no dia 22 de outubro, quando ela foi às aulas com um vestido que os agressores consideraram  excessivamente curto. Essas declarações foram dadas pelo vice-reitor da instituição, Ellis Brown, em entrevista coletiva realizada na tarde desta terça-feira. 10.   Entrevista em flashes, no blog pontoedu MEC arquiva pedido de investigação sobre a Uniban Assessores haviam desaconselhado punição Reitor da Uniban revoga expulsão de Geisy Arruda   "Aluno da Uniban não é Taleban", disse Brown, defendendo o corpo discente da universidade e explicando que os cerca de 60 mil alunos dos 13 câmpus da universidade já começam a sofrer discriminação. Geisy é aluna do câmpus de São Bernardo do Campo.   Brown afirmou que "a Uniban não admite que errou" ao expulsar a estudante, "porque o conselho seguiu um obrigação regimental".  Os alunos envolvidos nas ofensas a Geisy não serão punidos, garantiu Brown. "Teríamos de perguntar se puniríamos cerca de 800 alunos. Isso não resolveria o problema social", afirmou.   Ele atribuiu a culpa pelo episódio à estudante de turismo. "Se ela aceitasse a escolta oferecida no primeiro momento, arrisco dizer que - hipoteticamente - essa manifestação teria morrido antes. Mas ao não aceitar a proteção oferecida, a aluna não poderia ter sido arrancada do local à força."    A Uniban vai garantir que Geisy não seja prejudicada no calendário de atividades. "Ela não perdeu provas e se tiver alguma atividade essencial, daremos alternativa para que siga sem problemas até o fim do semestre." Brown destacou que foi providenciada a transferência da turma da estudante para outro prédio - mas no mesmo câmpus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.