Unesp amplia para 2018 prazo para ter 50% de alunos da rede pública

A instituição é a única entre as três estaduais de São Paulo a garantir o atendimento das metas a partir da lista do vestibular

Paulo Saldaña,

19 Agosto 2013 | 20h23

A Universidade Estadual Paulista (Unesp) ampliou para 2018 a meta de ter 50% dos alunos de cada curso oriundos de escola pública, respeitando porcentual de 35% pretos, pardos e indígenas entre os cotistas. Apesar disso, a instituição é a única entre as três estaduais de São Paulo a garantir o atendimento das metas a partir da lista de classificação do vestibular.

A Universidade de São Paulo (USP) e a Estadual de Campinas (Unicamp) ampliaram o sistema de bonificação como forma de aumentar a inclusão. Caso esses bônus não garantam o porcentual de alunos esperado, não há compromisso das duas instituições em "correr a lista" para atender as metas. Defensores do sistema de cotas defendem que aumentar a bonificação pode não surtir efeitos em todos os cursos, principalmente nos mais concorridos.

A decisão da Unesp em estipular metas de inclusão foi decidida em abril, conforme adiantou na época o estadão.com.br. Naquele momento, o prazo para ter 50% dos alunos vindos de escolas públicas foi estipulada para 2016 e não ficava claro como a universidade iria cumprir. 

Entretanto, reunião do Conselho Universitário da última quinta-feira, dia 15, alterou os prazos para inclusão em relação ao que havia sido definido e definiu que o preenchimento das vagas seguirá a ordem de classificação do vestibular. Agora, as metas deverão ser atendidas ao longo dos próximos 5 anos da seguinte forma: 15% (2014), 25% (2015), 35% (2016), 45% (2017), 50% (2018). 

Desses porcentuais, 35% deverão ser de pretos, pardos e indígenas, conforme a proporção censitária registrada no Estado de São Paulo. O Conselho Universitário vai reavaliar ano a ano o sistema de inclusão para possíveis ajustes. A Unesp não adota bonificação no vestibular.

O debate de cotas em São Paulo esquentou depois que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) exigiu que os reitores criassem uma proposta, que veio a ser o Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Superior Público Paulista (Pimesp). O programa, que tinha como principal medida a criação de um college semipresencial por onde parte dos cotistas passariam, foi abandonado pelas três estaduais.

A Unicamp confirmou alterações da sua política de bônus para alunos de escolas públicas nesta segunda-feira, dia 19. O Programa de Ação Afirmativa e Inclusão Social (Paais) vai dar 60 pontos extras (eram 30) na segunda fase para alunos que cursaram todo ensino médio na rede pública. Os oriundos de escolas públicas que se autodeclararem negros, pardos e índios terão, além dos 60 pontos, mais 20 pontos (eram 10) - totalizando 80.

Na USP, o Conselho Universitário aprovou em julho a criação de um bônus de 5% no vestibular para candidatos de escolas públicas que se declararem pretos, pardos ou indígenas. Alumo com esse perfil poderá ter um bônus de até 25% na nota. Sem o critério racial, o bônus para a escola pública será de até 20% - o acréscimo máximo era de 15% na nota até este ano. A USP traça uma meta até 2018 para ter 50% de alunos de escolas públicas em seus cursos, mas não se compromete a de fato atendê-las caso a bonificação não seja suficiente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.