Ayrton Vignola/AE
Ayrton Vignola/AE

Trânsito e baldeações no dia a dia dos estudantes da USP

A ligação da USP com estações de Metrô já é feita atualmente por alguns ônibus municipais, geridos pela São Paulo Transporte (SPTrans). Há pelo menos dois trajetos que os levam até a região da Avenida Paulista ou para o centro, onde podem escolher entre as Linhas 3-Vermelha e 2-Verde. A queixa de estudantes e servidores é que existe um “grande obstáculo” no caminho.

O Estado de S. Paulo

06 Outubro 2010 | 10h12

 

Veja também:

Circular da USP vai ter integração com metrô e trem

Mais duas linhas devem ter mudança

 

“O que mata é o trânsito da Rebouças no horário de pico”, diz a estudante de Letras Renata Palmeira, de 22 anos. Apesar de haver um corredor de ônibus na avenida, ela perde uma hora no trajeto até a Avenida Paulista – cerca de 7 quilômetros.

 

Outra forma de chegar ao metrô é pegar um circular e seguir a pé pela Ponte da Cidade Universitária até a estação da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Nesse caso, o principal problema é o excesso de baldeações e a insegurança para caminhar até a estação da Marginal do Pinheiros em horários de menos movimento.

 

“Faço muitas baldeações para chegar até a Liberdade”, diz a estudante de Letras e professora de idiomas Andréa Alves Rodrigues, de 21. Ela vai de trem até a Estação da Barra Funda, onde faz a conexão com a Linha 3, a mais carregada do mundo. Depois, na Sé, tem de passar para a Linha 1-Azul. “Se eu pegar o Metrô aqui perto, já economizo bastante tempo”, completa.

 

Moradora de Santo André, no ABC, a estudante de pós-graduação Carina Palma de Moura Altério, de 32 anos, enfrenta diariamente uma maratona de ônibus, trem, metrô e novamente ônibus para chegar até a USP. Às vezes, ela prefere um fretado que vai até São Bernardo do Campo, mas o tempo gasto é ainda maior. Na melhor das hipóteses, gasta 1h30 de viagem.

 

“Se pegar a Linha 4-Amarela no Butantã, vou economizar um grande tempo e fazer menos baldeações. E aí vou ficar mais tempo no metrô e no trem e menos trocando de meio. Vou poder ler ou mesmo dormir”, diz a estudante.

Mais conteúdo sobre:
USP Trânsito Cidade Universitária

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.