1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Suspeita faz SP barrar licitação de van escolar

- Atualizado: 03 Março 2016 | 08h 40

Empresas já haviam sido escolhidas pelo Estado; serviço terá contrato temporário para atender alunos da rede estadual

Vans. Documento enviado por engano indicaria o conhecimento prévio dos concorrentes

Vans. Documento enviado por engano indicaria o conhecimento prévio dos concorrentes

SÃO PAULO - A Secretaria Estadual de Educação de São Paulo (SEE) cancelou um pregão eletrônico para contratação de empresas de transporte escolar que atenderia 88 mil estudantes, após suspeita de fraude. A decisão, tomada no dia 18 de fevereiro, foi obtida com exclusividade pelo Estado e confirmada pelo secretário José Renato Nalini.

O contrato atenderia alunos da capital e da Grande São Paulo, ao custo de R$ 550 milhões, com vigência de 15 meses. Uma investigação interna foi aberta pela pasta no mês passado e o caso será encaminhado para o Ministério Público Estadual e para o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

A secretaria garante que nenhum aluno será prejudicado e já preparou uma contratação emergencial para o serviço, enquanto não dá início à nova licitação. O contrato temporário expira em julho.

A suspeita de fraude foi levantada durante a fase de habilitação das empresas, que ocorre depois da escolha das vencedoras, mas antes da divulgação dos resultados no Diário Oficial. Nessa etapa, as vencedoras precisam enviar à secretaria toda a documentação exigida no edital para que se provem habilitadas a fazer o serviço. 

Cinco empresas venceram o certame e dividiriam o atendimento de seis regiões: Ação Transporte e Turismo Ltda (dois lotes), Transportadora Turística Benfica Limitada (dois lotes), Transporte Brasileiro (um lote) e Camargo Mello Transporte EPP (um lote).

Uma delas, a Transportadora Turística Benfica Limitada, enviou, entre os papéis, um documento escaneado com o nome das outras que participaram da licitação. A ação levantou suspeita: por regra, todos os pregões são pela internet, sem que as concorrentes saibam com quem estão competindo. 

O envio desse documento foi identificado pelo pregoeiro responsável pelo certame e avaliado pela secretaria. A licitação, que levou seis meses para ser feita, acabou cancelada. “Isso (a identificação das empresas) é impossível. Pelo sistema que adotamos, as empresas não são identificadas. Quando notamos (o documento com os nomes), verificamos que havia quebra de sigilo”, disse Nalini. 

Uma das suspeitas levantadas é a de conluio para escolha dos vencedores. “Sugere-se que havia conhecimento. Então a única alternativa que a secretaria tinha era a suspensão da licitação”, afirmou o secretário. A investigação levará 30 dias e, se identificada a fraude, as empresas serão descredenciadas. “A Benfica enviou um documento que tinha um manuscrito com o código das demais empresas. Quiseram tirar depois, o que dá a ideia de que ou vazaram o documento ou mandaram sem querer. Ou ainda para causar transtorno ao processo”, disse o promotor de Justiça e atual chefe de gabinete da secretaria, Antonio Carlos Ozorio Nunes. Ele admite que “há indícios de formação de cartel”. 

A pasta já definiu que a nova licitação terá mais divisão de lotes: será feita em 17 pregões diferentes, organizados pelas diretorias de ensino. Esse contrato emergencial terá vigência até o dia 1.º de julho.

Resposta. O Estado contatou três das quatro empresas citadas. Para a Benfica, principal envolvida no caso, houve “um lamentável mal entendido”. “Infelizmente, não fomos procurados pela Comissão de Licitação, a quem teríamos facilmente esclarecido o ocorrido.”

Segundo a empresa, a anotação do nome das concorrentes “foi feita com base na publicação desses dados no próprio site do pregão, seguindo a norma de tornar pública a listagem dos concorrentes a partir do início da fase de Habilitação”. E destacou que não houve ligação prévia entre concorrentes. A Transbrat, em nota, afirmou que “não se reuniu com nenhuma empresa que participou do certame e não houve nenhum acordo”. A reportagem não conseguiu localizar ninguém da Camargo Mello Transporte EPP. A Ação Transporte e Turismo e não respondeu.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EducaçãoX