Davi Lira/Estadão
Davi Lira/Estadão

Sucesso de escola do Piauí em vestibular e olimpíadas surpreende

Augustinho Brandão já conquistou mais de 20 medalhas em competição de matemática

Davi Lira, de O Estado de S. Paulo, enviado especial a Cocal dos Alves (PI),

08 Dezembro 2012 | 17h55

Com menos de dez anos de existência, a escola Augustinho Brandão já acumula vários prêmios em competições. Nas Olimpíadas de Matemática das Escolas Públicas (Obmep), por exemplo, conquistou mais de 20 medalhas – o que faz da instituição uma das mais premiadas do Brasil.

“Conhecemos o caso de sucesso de Cocal dos Alves desde 2005. E a origem desse êxito tem muito a ver com as olimpíadas”, afirma César Camacho, diretor-geral do Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (Impa), que organiza o evento.

“Proporcionalmente, em relação ao número de habitantes, somos a cidade que mais medalhas conquistou na Obmep”, diz o coordenador pedagógico da escola, Darckson Machado.

Foi com a preparação para as olimpíadas, posterior sistematização de estudos, atenção especial aos alunos e trabalho focado na resolução de dúvidas, que a escola passou a ter uma boa gestão. Mas parte desse desempenho – sempre relacionado ao trabalho do professor de matemática Antônio Cardoso do Amaral – pode ter sido conquistado sob um ambiente de forte pressão e competição entre os alunos, afirma Regina Rocha, que trabalhou como psicóloga na cidade. Ela diz que, em 2010, algumas mães pediram que Regina ajudasse a cuidar dos filhos, que sofriam com excesso de estudo.

Para o estudante Izael de Brito Araújo, de 16 anos, do 1.º ano, a alegação não faz sentido. “O que existe é uma competição saudável. Se um conseguiu, por que eu não posso?”, diz. A escola também é campeã em aprovação nos vestibulares. As taxas de aprovação nunca foram menores que 70%. Em 2010, todos os alunos que prestaram vestibular entraram na UFPI.

Orientações

À pedido do Estado, o professor Amaral destacou algumas sugestões para que quaisquer escolas públicas possa vir a ter um bom desempenho nas olimpíadas de matemática. Repassamos as orientações na íntegra:

1) TRATAR O ASSUNTO "OLIMPÍADA DE MATEMÁTICA" COM CUIDADO E COERÊNCIA - Não esquecer que participar de uma olimpíada implica entrar em uma competição. Portanto, é preciso ficar bem atento para que isso seja feito através do exercício do espírito de competição que cada indvíduo possui, ou seja, sabendo que  haverá ganhadores e não ganhadores. Além disso, é importante eleger como objetivo maior o aprendizado que fica através das preparações e estudo em grupo. Nunca obrigar a participação dos alunos mas sim, convidá-los. Ter bastante cuidado na divulgação de notas de classificação também é outro ponto fundamental.

2) MOSTRAR AS VANTAGENS DE PARTICIPAR DE OLIMPÍADAS - Ganhar medalhas ou menções honrosas em competições olímpicas significa ser um bom aluno, ao menos naquilo que ganhou. Por conta disso, o governo incentiva estes estudantes através de bolsas e participação em programas de aprimoramento para ajudá-los a seguir carreira científica. É muito importante que o professor conheça todas as vantagens que uma competição olímpica oferece para levar aos seus alunos. Mostrar ou ter exemplos de estudantes bem sucedidos que tiveram participação em olimpíadas quando na educação básica, é uma boa estratégia. Insitir que é indiferente se o estudante mora no interior ou se ele vive na cidade grande. O importante é estudar bastante.

3) DAR ASSISTÊNCIA AOS INTERESSADOS - Uma vez conquistado uma turma ou um grupo de alunos para a participação em competições olímpicas, o maior desafio é ter uma boa preparação para as aulas de treino. Pesquisar, conhecer provas de outras edições e bancos de questões são os menores atributos para a condução de boas aulas. Dependendo do ambiente escolar e do grupo de alunos, tudo isso pode ser feito em conjunto.

4) MOTIVAR E PARTICIPAR PARA ATINGIR METAS - Acredita-se que o envolvimento de boa parte dos alunos de uma escola em competições pode servir para aumentar o nível de aprendizado entre todos, principalmente porque motiva o estudo de grupo e isso gera um efeito multiplicativo de conhecimento. Um grande exemplo disso é Cocal dos Alves, um município no interior do Piauí. Portanto, é possível que o projeto de preparação para as olimpíadas de matemática esteja dentro da proposta pedagógica da escola como uma importante ferramenta para melhorar os indicadores de rendimento escolar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.