SP sobe em ranking de produção científica

Cidade é citada em relatório da academia britânica como promissora no ramo da ciência

Jornal da Tarde

31 Março 2011 | 12h55

Um novo grupo de países – liderados pela China, seguida por Brasil e Índia –  está emergindo entre as potências científicas e começa a rivalizar com superpotências como Estados Unidos, Europa Ocidental e Japão.

 

Esse é o resultado do relatório Conhecimento, Redes e Nações: a colaboração científica no século 21, da Royal Society (a academia nacional de  ciência britânica).

 

No Brasil, São Paulo subiu do 38º para o 17º lugar na lista de cidades com mais publicações científicas, o que “reflete o rápido crescimento da atividade  científica brasileira”. Entre 1999 e 2003, essa representatividade era de 1,3% das pesquisas científicas globais – entre 2004 e 2008, foi a 1,6%.

 

O relatório classifica como “notável” o desempenho da China: a publicação de documentos científicos do país superou a do Japão e a da Europa – só é  ultrapassada pelos EUA, mas deve superá-los antes de 2020. Em 1996, os EUA tinham uma produção científica dez vezes maior que a chinesa; hoje, não chega ao  dobro.

 

Apesar dos avanços, “nações avançadas do ponto de vista científico continuam a dominar a contagem de citações”, diz a pesquisa, que também identificou entre  os emergentes do campo da ciência Irã, Tunísia e Turquia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.