Site e aplicativo ajudam candidatos que querem estudar nos EUA

Ferramenta dá orientações sobre processo de admissão e concessão de bolsas de estudo

do Porvir,

15 Agosto 2012 | 12h04

Quem disse que fazer faculdade nos Estados Unidos é coisa só para gênios ou talentos do esporte? “As pessoas pensam isso por falta de informação. É um mito”, diz o paulista Henrique Dudugras, de 16 anos, cocriador, com mais três amigos, do Estudar nos EUA , site e aplicativo para celular que pretendem esclarecer e ajudar estudantes brasileiros a conseguir uma vaga em universidades americanas.

Veja abaixo o vídeo de divulgação do aplicativo:

 

A ideia de criar a ferramenta surgiu da dificuldade enfrentada para encontrar informações sobre os processos de seleção de estudantes. A pesquisa realizada pelos quatro e a experiência bem sucedida de dois integrantes foram a base para o conteúdo do aplicativo. Gustavo Haddad Braga, de 17 anos, foi aprovado em Harvard, Stanford, Yale e Princeton, e escolheu estudar no Massachusetts Institute of Technology (MIT), onde ingressa no próximo semestre. Vinícius Cruz, 18 anos, também está de malas prontas para os EUA, estudará na LindenWood University, com bolsa-atleta de 100% e jogará tênis pela universidade.

Anderson Ferminiano, de 18 anos, estuda inglês em São Francisco, nos EUA e ainda não foi aprovado, mas aguarda os resultados das seleções. Henrique não terminou o ensino médio e já se prepara para ingressar em uma faculdade no exterior. Ele fará intercâmbio na Alemanha no segundo semestre. “Vimos que é muito difícil encontrar as informações necessárias para aplicar e isso afasta as pessoas. Queremos ajudá-las e despertar o sonho de estudar nos EUA”, conta.

Todas as informações ficam disponíveis no site e agora também no recém lançado aplicativo, que ficou disponível no último sábado.

Como fazer um bom application

O processo de admissão em universidades americanas é muito diferente do brasileiro e assusta. Mas os meninos avisam: nem todos os alunos admitidos em universidades americanas são estrelas acadêmicas ou atletas profissionais. As instituições estão em busca de diversidade e de pessoas interessantes, que tenham algo a acrescentar.

O Estudar nos EUA mostra que a seleção é muito mais subjetiva e íntima do que se possa imaginar. Todas as partes do application (candidatura a uma vaga) são importantes e no final, o que conta é o conjunto. O estudante brasileiro terá que preencher uma inscrição pela internet com as seguintes informações: histórico escolar, atividades extracurriculares, prêmios e grandes feitos acadêmicos, cartas de recomendação, Essay (ensaio) e a nota em exames que medem o domínio da língua inglesa, como SAT e Toefl.

Os quatro estudantes dão dicas precisas para quem vai fazer um application. Por exemplo, nas atividades extracurriculares, priorize aquelas que exijam liderança e dedicação. “É preferível que você participe de poucas atividades por muito tempo e com uma posição de liderança do que você participe de um monte de coisa sem realmente se dedicar a elas”, apontam.

Eles também advertem que é preciso ter muita dedicação em seu Essay, pois essa é a única parte em que se tem total controle. O texto deve ser envolvente, ter personalidade e pode colocar o candidato à frente de muitos outros. “Em vez de dizer que você ‘gosta de ajudar pessoas’, conte vividamente sobre um trabalho voluntário que fez”, aconselham os jovens.

Outra função bastante útil do aplicativo são os simulados dos exames SAT e Toefl e as listas de palavras para ampliar o repertório. “Os exames cobram um vocabulário vasto. Nossa ideia é ajudar os candidatos a estudar e a se preparar para estes exames”, destaca Henrique.

Bolsas de estudo

Estudar em uma universidade americana pode ser um investimento de cerca de US$ 60 mil anuais, por quatro anos. Mas há várias opções de bolsas, de diferentes tipos, porcentagens e que chegam a cobrir integralmente os custos da universidade e também alojamento, alimentação e até mesmo passagens aéreas para o Brasil no período de férias.

Há três modalidades de bolsas de estudo: por mérito, financeira e esportiva (para estudantes com desempenho competitivo em futebol, tênis, vela, esgrima, tênis de mesa, ginástica olímpica, natação, basquete, atletismo, golfe, vôlei ou pólo-aquático). O site/aplicativo descreve as especificações de cada uma delas e ajuda o estudante a montar seu pedido de bolsa.

Com o desenvolvimento do aplicativo, que foi criado há apenas quatro meses, será possível ter acesso a outras ferramentas como o acompanhamento do application.

Mais conteúdo sobre:
Educação, Tecnologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.