Sindicato de professores e técnicos aceita proposta de reajuste, diz MEC

Segundo a pasta, Sinasefe vai encerrar greve; informação não foi confirmada pela entidade

Estadão.edu,

23 Agosto 2012 | 16h31

O Ministério da Educação (MEC) afirmou na tarde desta quinta-feira, 23, que o Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe) aceitou a proposta formulada pelo governo que prevê reajustes salariais de 25% a 40% para professores e de 15,8% para funcionários técnico-administrativos. A informação não confirmada pelo Sinasefe, cujos integrantes estão reunidos neste momento, em Brasília.

 

Segundo o MEC, o Sinasefe assinará o acordo para encerrar a greve depois do Sindicato de Professores de Instituições Federais de Ensino Superior (Proifes) e da Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras (Fasubra). Desta maneira, o Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes) seria a única entidade sindical a recusar a proposta do governo. O Andes representa a maioria dos professores das federais.

 

Nesta quinta-feira, a presidente do Andes, Marinalva Oliveira, protocolou no Ministério do Planejamento uma contraproposta dos docentes. Pelo plano, a categoria abre mão do aumento salarial de 25% a 40% e pede, em vez disso, um reajuste de 4% a cada vez que o professor progredir na carreira. Ainda de acordo com a proposta, o piso de início da carreira passaria a ser o proposto pelo governo: R$ 2 mil.

 

No MEC, a atitude de Marinalva foi vista como "intempestiva". Segundo a pasta, a proposta do Andes custaria R$ 10 bilhões aos cofres públicos e não privilegia a titulação e a dedicação exclusiva, pontos considerados inegociáveis pelo governo.

 

O governo diz que as negociações com os professores das federais está encerrada desde o início do mês, quando foi assinado o acordo com o Proifes. De acordo com o MEC, os valores acordados com as entidades sindicais já constam da Lei de Orçamento Anual que será enviada ao Congresso.

 

* Atualizada às 17h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.