Servidores das federais assinarão acordo para encerrar greve

Epectativa é que 140 mil técnico-administrativos retomem atividades na 2ª-feira

Agência Brasil,

23 Agosto 2012 | 14h21

Os representantes da Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras (Fasubra) decidiram aceitar a proposta de reajuste de 15,8%, fracionado até 2015, e incentivos à titulação oferecidos pelo Ministério do Planejamento. A expectativa do sindicato é que os 140 mil técnico-administrativos que estão em greve retornem às atividades na próxima segunda-feira, 27.

 

O governo não cedeu às pressões dos técnicos que exigiam o porcentual integral para o próximo ano ou aumento dos salários de 25% dividido em três anos. Segundo a coordenadora-geral da Fasubra, Janine Teixeira, apesar de ter aceito a oferta, a categoria ficou “insatisfeita”.

 

“Achamos muito pouco em termos de reajuste, mas decidimos aceitar porque tivemos avanços muito grande na carreira. Com a progressão de carreira, o porcentual pode chegar até 24%, nos próximos três anos, em alguns casos”, disse.

 

A assinatura do acordo com o governo, que ratifica o fim das negociações, está previsto para ocorrer nesta sexta-feira, 24. O placar parcial da Fasubra aponta que 36 universidades são a favor da proposta do governo federal e 14 contra. Os representantes do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe) mantiveram a rejeição à proposta do governo.

 

Para o secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Planejamento, Sérgio Mendonça, o acordo encerra as negociações em uma área estratégica do governo. “Fechamos acordo em uma área importante e estratégica que estava em conflito. Tenho certeza que voltaremos à normalidade em pouco tempo”, disse. Os servidores das universidades federais estão em greve desde o dia 11 de junho.

 

A proposta apresentada pelo governo terá um impacto no Orçamento de R$ 2,9 bilhões nos próximos três anos. Só para 2013, o custo será R$ 670 milhões. O governo elevou em R$ 1,2 bilhão a proposta do aumento como forma de incentivar a titulação.

 

Segundo o secretário de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação, Marco Antônio de Oliveira, a normalidade do ensino superior federal deve ser retomada na próxima semana. “O acordo com os técnico-administrativos vai impactar na volta dos docentes. Levantamento de hoje (ontem) aponta que 35 universidades decidiram retomar as aulas”, declarou.

 

Oliveira destacou ainda que a reposição das aulas será acompanha de perto pelo órgão. “As universidades já foram orientadas pelo MEC quanto ao calendário de reposição das aulas. Vamos fazer acompanhamento rigoroso.”

Mais conteúdo sobre:
Greve Ensino superior

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.