Helvio Romero/Estadão
Helvio Romero/Estadão

Saiba como fazer graduação fora do Brasil sem vestibular

Conheça a seleção de faculdades na Alemanha, Nova Zelândia, China, Reino Unido e Rússia

Bárbara Ferreira Santos, Estadão.edu

06 Maio 2014 | 03h00

Fazer a graduação em uma universidade fora do Brasil pode ser uma forma de evitar os temidos vestibulares tupiniquins. Muitos países querem atrair alunos estrangeiros e têm interesse nos estudantes brasileiros. É o caso de Alemanha, China, Nova Zelândia, Reino Unido e Rússia.

Na Nova Zelândia, por exemplo, a política educacional do país inclui a internacionalização das universidades, que são financiadas pelo governo – diferentemente das públicas do Brasil, cujo ensino é gratuito, elas cobram 1/3 da mensalidade de neozelandeses e 100% dos alunos estrangeiros.

Segundo o embaixador da Nova Zelândia no Brasil, Jeffrey McAlister, um dos pilares da estratégia educacional do país é a atração de estudantes estrangeiros para ajudar os neozelandeses a se integrar no mercado de trabalho globalizado. “É importante que os nossos jovens tenham a capacidade de se comunicar fluentemente com pessoas de outros países, entre eles países significativos como o Brasil”, diz McAlister. “Estudantes que vão para lá acabam tendo uma afinidade permanente com a Nova Zelândia. Quando voltam para o Brasil, se tornam embaixadores do nosso país.”

Embora não tenham vestibulares para os estudantes estrangeiros, os processos de seleção podem ser ainda mais acirrados e demorados. Isso porque as universidades normalmente exigem alto desempenho em toda a vida acadêmica, histórico escolar e atestado de conclusão com tradução juramentada, cartas de recomendação e proficiência no mínimo em inglês (mais informações abaixo, nesta página). Como nesses países cada universidade tem autonomia para criar seus critérios de seleção, o nível de proficiência no idioma e o número de documentos exigidos podem variar. 

Na China, todos os alunos que cursaram o ensino médio no país têm de fazer um exame parecido com o Enem, o Gaokao. Já os alunos estrangeiros são dispensados dessa prova, mas têm de apresentar as notas da escola e os certificados de proficiência em mandarim (HSK ou HSKK). “O Gaokao é conhecido e temido por todas as famílias chinesas. Mas o aluno brasileiro não precisa fazer para entrar no bacharelado ou licenciatura”, afirma a professora de mandarim do Instituto Confúcio da Unesp, Rachel Nian Liu. “Há cursos de graduação em Letras, por exemplo, em que é possível fazer a graduação só com o inglês, mas é sempre melhor ter o certificado de mandarim.”

Complemento. Em alguns locais, como na Alemanha, na Nova Zelândia e no Reino Unido, como o ensino médio tem um ano a mais do que no Brasil, é preciso fazer um ano de complemento da educação básica antes da graduação. Geralmente, esse curso inicial já é focado na área em que o aluno vai seguir (Exatas, Humanas ou Biológicas), o chamado Foundation Year.

Na Rússia é preciso fazer de 3 a 15 meses do curso Faculdade Preparatória, que ensina russo e tradições do país. Lá há universidades que dão aulas em russo ou em inglês.

Mesmo com um inglês básico e sem falar russo, Anna Paula Machado, de 20 anos, embarcou na semana passada para cursar Medicina na Universidade Médica Estatal de Kursk. Antes de entrar na graduação, ela vai fazer três meses de aulas preparatórias de inglês (mais informações nesta página). “Vou estudar muito para conseguir acompanhar. Sei que não vai ser fácil, mas é meu sonho e lá é mais barato cursar Medicina do que em um curso particular no Brasil.”

Nas universidades de fora há opções para todos os bolsos: de graduações que custam R$ 300 por semestre, como na Alemanha, a outras cujos gastos ultrapassam R$ 10 mil por mês, como no Reino Unido.

Gratuidade. Como há subsídio do governo, em algumas universidades alemãs o aluno não paga nada para estudar, explica a orientadora educacional do currículo bilíngue do Colégio Porto Seguro, Sabrina Steyer. “Na maioria das universidades, o aluno tem de falar alemão. O estudante que fez o ensino médio no Brasil fora do currículo alemão tem de fazer um curso de preparação de um ou dois anos na universidade em que pretende ingressar.”

Gustavo Mattos, gerente de promoção da educação britânica no Brasil, afirma que no Reino Unido os cursos que usam apenas as salas de aulas custam, em média, R$ 59 mil anuais, mas os que dependem de laboratórios podem chegar a R$ 130 mil por ano.

Mattos alerta que os alunos que se graduam no Reino Unido precisam revalidar o diploma no Brasil em áreas como Medicina e Engenharia antes de ingressar no mercado do País – processo que pode ser demorado e caro. Quem se gradua no Reino Unido, porém, tem certificado válido em toda a Europa. “O estudante precisa pensar onde quer começar a carreira.”

DEPOIMENTO: Anna Paula Machado vai estudar Medicina na Rússia

"Nasci em São Paulo e, com 9 anos, fui para a Bahia. Sempre estudei em escola pública. Voltei sozinha com 17 anos, para trabalhar e estudar. Tentei por dois anos os vestibulares do Brasil, em São Paulo, Mato Grosso, Bahia e Paraná, mas não tive êxito. Depois do colégio, cheguei a fazer cursinhos gratuitos, mas, por causa do trabalho, nunca tive tempo para estudar muito.

Até dois meses atrás, eu trabalhava em uma farmácia. Gosto de conversar com os clientes. Acho que precisamos tratar as pessoas bem, da mesma maneira como queremos ser tratados.

No fim de 2013, quando tinha acabado de ser promovida e atendia no balcão, um cliente que sempre vai à farmácia foi comprar remédios. Brinquei com ele que um dia seria eu quem prescreveria aquelas receitas. O cliente, um japonês chamado José, arregalou os olhos e ficou surpreso quando disse que queria ser médica.

Quinze dias depois, o José chegou com folhas da Aliança Russa, que mostravam a possibilidade de estudar na Rússia. Pesquisei na internet e minha mãe veio para São Paulo checar se não havia nada contra a Aliança na Justiça. Vimos que a instituição era séria.

Um dos meus medos e da minha mãe era o Revalida (processo de revalidação de diploma de Medicina no Brasil). Mas achei o ensino rígido: são 12 alunos por sala.

Todo o processo de aplicação durou um mês e meio. Conversamos com a diretora da Aliança Russa, que mandou a documentação necessária, porque não há vestibular. Fiz tradução juramentada em russo de comprovante de residência e histórico escolar. Entreguei exames de HIV, sorologia e antidrogas, fiz laudo psiquiátrico e médico comprovando boa saúde. Deixei todas as vacinas em dia.

Minha aprovação foi fácil porque minha mãe mora no interior da Bahia, e eles querem estudantes que queiram voltar ao seu país e trabalhar onde não há médico.

Antes, eu nunca tinha cogitado sair do Brasil. Mas chegou a minha hora. Vou fazer a Universidade Estatal Médica de Kursk. Isso vai me custar por volta de R$ 600 ou R$ 700 por mês, incluindo moradia, os estudos e plano de saúde. O que vou pagar em seis meses lá daria para custear apenas um mês de mensalidade aqui. 

Na Rússia, vou fazer três meses de cursinho de inglês, idioma das aulas. Como sempre estudei em escola pública, sei o básico do básico. Mas, como não me vejo sendo outra coisa que não seja médica, eu iria para qualquer lugar do mundo". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.