REPRODUÇÃO
REPRODUÇÃO

Reforço virtual para o Enem

Na reta final dos estudos, candidatos encontram vídeos e apostilas para revisar conteúdo da prova

Felipe Oda, Jornal da Tarde

27 Setembro 2011 | 12h28

A menos de um mês para o Enem, com provas agendadas para os dias 22 e 23 de outubro, os candidatos podem reforçar os estudos com “intensivões” e materiais gratuitos que estão disponíveis na internet. Os conteúdos são oferecidos por universidades, cursinhos e empresas de educação online.

 

Na reta final para o exame, o site Descomplica (descomplica.com.br) oferece aulas virtuais. De acordo com Marco Fisbhen, CEO da empresa, cerca de 500 videoaulas, com os principais conteúdos do Enem, podem ser vistas gratuitamente. “O conteúdo estará aberto até o dia 23 (de outubro). É uma parceria do site com a Microsoft e Natura”, explica Fisbhen.

 

Normalmente, o acesso ao Descomplica é cobrado, afirma o CEO. O estudante paga uma mensalidade de R$ 19,90.

 

Já o cursinho Henfil aposta em vídeos no YouTube sobre “as competências cobradas na prova”, segundo Mateus Prado, presidente do Instituto Henfil. “Não ensinamos a matéria. Explicamos como o conteúdo poderá ser cobrado na avaliação e as situações que o aluno encontrará no exame”, explica Prado.

 

Ambos ressaltam que os materiais oferecidos pela internet são complementares aos estudos regulares. “São destinados aos candidatos que já estudam. E não servem para os que não têm conhecimento básico dos conteúdos”, esclarece Prado.

 

Outra opção virtual para os estudantes é o simulado de língua inglesa que será aplicado na próxima sexta-feira, dia 29, pelo site Universia Brasil (universia.com.br). As inscrições podem ser feitas até o dia do simulado.

 

Mas há também opções presenciais para reforçar o estudo. A Universidade Ítalo Brasileiro (italo.com.br) prepara aulas intensivas nos dois próximos sábados (1 e 8 de outubro). Das 8h às 12h, os interessados revisarão principais pontos da matemática, português e atualidades.

Mais conteúdo sobre:
Enem Vestibular

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.