Redações do Enem com nota máxima passarão por 'pente fino’, diz Mercadante

Objetivo é evitar que textos com erros consigam tirar 1.000 pontos, como ocorreu na última edição

Estadão.edu,

22 Março 2013 | 15h02

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, anunciou nesta sexta-feira, 22, que as redações do Enem que tirarem a nota máxima (1.000 pontos) nas próximas edições da prova vão passar por mais uma banca, composta por três professores doutores. O objetivo é fazer um “pente fino” no texto.

 

A decisão vem depois da divulgação de redações que receberam nota máxima no último Enem, mesmo com erros graves de grafia, como "trousse" (trouxe), e de concordância verbal, como na frase "Essas providências, no entanto, não deve ser expulsão".

 

Segundo Mercadante, a mudança já está sendo discutida por uma comissão de especialistas. Ele afirmou que 2.080 textos tiraram 1.000 pontos no Enem 2012.

 

Além dos erros gramaticais, foram revelados nesta semana textos com desvio do tema e 'brincadeiras’ que, ainda sim, obtiveram uma boa pontuação. Em um dos casos, o estudante ensinou o modo de preparo de uma receita de macarrão instantâneo. No outro, o aluno escreveu o hino do Palmeiras. As notas dos textos foram 560 e 500, respectivamente.

 

De acordo com Mercadante, as redações com "deboche" passarão a receber nota zero, tratadas como "inserção indevida".

Mais conteúdo sobre:
Enem Redação Aloizio Mercadante MEC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.