Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Educação

Educação » Dilma: Redação do Enem foi momento de reflexão para sociedade

Educação

Dilma: Redação do Enem foi momento de reflexão para sociedade

Tema foi a violência contra a mulher; segundo a presidente, conscientização incentiva vítimas a denunciarem os agressores

0

Carla Araújo,
O Estado de S. Paulo

12 Janeiro 2016 | 16h41

BRASÍLIA - Após uma reunião com o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, a presidente Dilma Rousseff usou as redes sociais para destacar a importância do tema da redação do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), que tratou da violência contra a mulher. "A redação foi momento de reflexão não só para os participantes, mas para toda a sociedade", escreveu a presidente no Twitter. 

Dilma disse que o aumento da conscientização ajuda a combater a violência contra as mulheres e incentivou que as vítimas denunciem os agressores. A presidente destacou que muitas redações preocuparam os avaliadores com depoimentos de pessoas que foram assediadas, estupradas ou testemunharam violência. "A sociedade brasileira precisa avançar e acabar de vez com a cultura da violência. Não aceite e não compactue! Denuncie! #Ligue180", afirmou. 

Na mensagem, a presidente disse ainda que o balanço do Enem 2015 mostra "os avanços da educação pública superior nos últimos anos e demonstra a prioridade que meu governo dá à área". "A variedade de cursos oferecidos aumentou significativamente, cerca de 380%. As vagas também cresceram muito: 376% em 6 anos", escreveu, usando a hastag #PatriaEducadora. 

Relatos e mudanças. Na segunda, Mercadante já havia informado que, das mulheres que escreveram a redação, 55 deram "depoimentos contundentes" sobre o tema violência contra a mulher. Segundo ele, o tema foi importante não só por levar mais de 5,8 milhões de participantes a refletirem sobre a violência contra a mulher, mas para reforçar o combate a essa prática - que, só no ano passado, resultou em 634.862 denúncias ao Ligue 180.

O ministro disse ainda que o governo estuda a separação de provas para os alunos que querem apenas a certificação no segundo grau dos que querem concorrer a uma vaga na universidade. Dos pouco mais de seis milhões que prestam provas do Enem, 800 mil querem obter o diploma e os 5,2 milhões demais são candidatos às universidades.

A dificuldade de mudar o sistema, de acordo com o ministro Mercadante, é que muitos estudantes que, a princípio, querem apenas o diploma de conclusão daquele ciclo escolar, depois acabam usando a mesma nota do Enem para acessar ao ensino superior, sem precisar de nova prova. "Por isso estamos avaliando bem esta questão", declarou. 

Comentários