1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Reajuste para professor vai depender da economia

- Atualizado: 13 Fevereiro 2016 | 17h 50

Secretário ressalta que um ‘plano B’ seria unidades de ensino conseguirem reduzir o custeio, o que permitiria gratificação

SÃO PAULO - A possibilidade de haver aumento salarial para os professores da rede estadual neste ano vai depender do comportamento da economia, segundo o secretário estadual de Educação, José Renato Nalini. No ano passado, a categoria ficou sem reajuste, mesmo promovendo a maior greve da história, de três meses.

Segundo Nalini, o “plano B” seria conseguir economizar nos gastos de custeio e, nos colégios que conseguirem esses resultados, repassar os valores para o pessoal. Essa ideia, entretanto, dependeria da descentralização da gestão planejada pelo novo titular da pasta.

Nalini afirmou que “quer dar esperança para o professor” com relação ao tema da valorização docente. “Ano passado, o governo não conseguiu dar reajuste. Eu vou lutar bastante para o professor ser respeitado. Eu quero dar esperança, nunca diria que vai ser igual ao ano passado. Os prognósticos não são bons, mas trabalhamos com data-base de 1.º de julho. Há otimismo sobre a possibilidade de a economia tomar fôlego.”

São Paulo tem cerca de 230 mil professores. O piso salarial no Estado está congelado desde 2014. Um professor de ensino médio, com carga horária de 40 horas, recebe um piso de R$ 2.415,89. Entre 2011 e 2014, o Estado reajustou o salário em 45%. Excluindo incorporações de gratificações e a inflação do período, o aumento real sentido no bolso foi de 5,3% até 2014. No ano passado, a inflação oficial superou os 10%.

Gratificação. A gestão Geraldo Alckmin (PSDB) reduziu em 2016, pelo segundo ano consecutivo, a fatia da Educação no orçamento. Segundo Nalini, para não depender apenas da economia, a pasta precisaria cortar custeio, que hoje consome 35% do orçamento.

“Um plano B seria uma economia a partir dessa descentralização. Com essa economia, poderíamos migrar para pagamento de pessoal. Se as unidades pudessem reduzir os custos, poderíamos oferecer para a Secretaria de Planejamento para poder dar gratificação à unidade”, diz. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EducaçãoX