Próximo passo é ouvir alunos de 4 a 5 anos no diagnóstico

Em escola no Itaim Paulista, na zona leste de SP, crianças pediram mais brincadeiras na sala de aula, música e espaço para futebol

Edgar Maciel, O Estado de S. Paulo

08 Setembro 2014 | 02h03

SÃO PAULO - Além de utilizar as medidas do Ministério da Educação para criar uma cultura de avaliação nas escolas infantis, a Secretaria Municipal de Educação de São Paulo (SME) está planejando seus próprios indicadores, adaptados à realidade da capital e com metas específicas para os próximos anos. A ideia é complementar as diretrizes nacionais, com propostas sugeridas pelos professores. Com a inclusão dos pais já em execução, o próximo passo é escutar a opinião das crianças, respeitando as formas de comunicação dos alunos.

"Há uma diferença enorme em comparação aos processos avaliativos dos ensinos fundamental e médio, onde os alunos já têm uma capacidade argumentativa. Estamos discutindo a melhor forma para que crianças de 4 a 5 anos também consigam expressar sua opinião", disse Sônia Larrubia, coordenadora da Diretoria da Educação Infantil da SME.

A proposta já está em fase experimental em algumas instituições e deve ser concluída até o fim do ano. A Escola Laura da Conceição Pereira Quintaes, no Itaim Paulista, na zona leste, comandada pela diretora Solange Oliveira, é uma das que começaram a ouvir a opinião dos alunos, usando a mesma metodologia dos pais. A ideia surgiu no fechamento da avaliação com a família, no ano passado. As crianças se animaram com os cartões coloridos usados nos testes e pediram para participar.

Os pequeninos foram criteriosos nas suas opiniões. Pediram mais brincadeiras na sala de aula, novas opções de músicas na recreação, reclamaram do espaço para jogar futebol e lembraram até das promessas não cumpridas. "Me cobraram que eu levei uma vitrola para a sala de aula e ela não funcionou", contou a professora Margarida de Sousa Barbosa.

Mais conteúdo sobre:
Educação infantil Escolas Creches

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.