João Bitta/Unesco
João Bitta/Unesco

Programa de bolsas para professor tem redução de 14,8%

Ministério da Educação (MEC) alegou que fará mudanças; fórum nacional teme pela continuidade do projeto

Isabela Palhares, O Estado de S. Paulo

17 Agosto 2017 | 03h00

Uma das principais ações do governo federal de formação de professores para a educação básica, o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) sofreu uma redução de 14,8% no número de bolsistas nos últimos dois anos. Sem dar detalhes, o Ministério da Educação (MEC) informou que está estruturando para o próximo ano uma reformulação do programa, que concede bolsas para estudantes de licenciatura estagiarem em escolas públicas do País.

O Estado obteve pela Lei de Acesso à Informação dados da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), responsável pelo programa, que tinha 65.185 bolsistas do Pibid em junho de 2015. No mesmo mês deste ano, eram 58.268. 

O programa concede bolsas de R$ 400 aos alunos de licenciatura para participarem de projetos em escolas de educação básica, além de pagar R$ 1,2 mil aos coordenadores e R$ 600 aos professores responsáveis pelas disciplinas.

O MEC informou que houve um corte de bolsas ao fim de 2015, quando foi feito um “ajuste do programa ao orçamento que havia sido aprovado naquele ano” -  o ministério perdeu 10% de seu orçamento, cerca de R$ 10,5 bilhões a menos. No primeiro semestre de 2015, a Capes pagou R$ 251,7 milhões em bolsas. O montante caiu 10,1%, R$ 226,5 milhões, no mesmo período de 2016. A pasta disse que atualmente estão disponíveis 59.156 bolsas para o Pibid e os coordenadores de projetos não preencheram todas.

Nilson Cardoso, presidente do Fórum Nacional dos Coordenadores do Pibid (Forpibid), disse que a preocupação é com a sobrevivência do programa, reconhecido por proporcionar aos jovens da graduação a vivência do cotidiano das escolas públicas. "O Pibid tem uma dinâmica diferente, porque os alunos se formam ou conseguem outra bolsa e são substituídos. O que acontece desde 2015 é que as vagas são fechadas, sem aviso e sem a possibilidade de incluir novos bolsistas. É um efeito cascata."

No último período do curso de educação física da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) , Hugo Tavares, de 22 anos, tentou por dois anos, mas não conseguiu ser selecionado para o Pibid. "É uma pena não ter tido essa oportunidade. Acredito que limita minha formação, porque não tive um contato direto com as escolas e alunos. Eu quero dar aula na rede pública e tenho certeza que teria feito diferença na minha trajetória profissional", diz.

Segundo Tavares, em sua turma 15 estudantes tentaram o ingresso no programa e nenhum conseguiu. Apesar do valor da bolsa ser pequeno, ele disse que teria o ajudado financeiramente e poderia ter impedido que ele procurasse emprego em outras áreas durante a graduação. "Nos últimos anos, trabalhei com vendas para poder me manter na faculdade. Gostaria de ter trabalhado com educação, que é onde vou atuar, mas, como não consegui, tive que me virar", disse. 

Em 2015, uma pesquisa, feita com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), mostrou que 64% dos formados que participaram de programas de iniciação à docência, como o Pibid, foram trabalhar na área da educação - 88% atuando como professores . Dentre os que não trabalhavam na área, 47% disse estar aguardando concurso na rede pública. 

Em nota, o MEC informou que atualmente estão disponíveis 59.156 bolsas para o Pibid e disse que os coordenadores de projetos não preencheram todas elas. O ministério também disse que o programa é "apenas umas das iniciativas" para qualificar a formação de professores. "Sem pretensões de ser universal, ele deve funcionar como indutor de boas práticas", disse em nota. 

Sobre as mudanças no programa, a pasta disse ter montado um grupo de trabalho para a reformulação e a previsão é de que as primeiras conclusões sejam apresentadas em outubro. "A intenção é garantir a autonomia das secretarias de educação na escolha das escolas em que o Pibid irá atuar, bem como uma participação mais ativa nos projetos a serem desenvolvidos", disse. 

Mais conteúdo sobre:
Ministério da Educação Educação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.