HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO
HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO

Professores em greve que se acorrentaram na secretaria encerram protesto

Presidente do principal sindicato da categoria afirma que outros docentes devem fazer ato semelhante nos próximos dias

Isabela Palhares , O Estado de S. Paulo

01 Junho 2015 | 18h26

Os seis professores que estavam acorrentados no portão da Secretaria de Estado da Educação deixaram o local no fim da tarde desta segunda-feira, 1º. A presidente do principal sindicato da categoria (Apeoesp), Maria Izabel Noronha, disse que na terça-feira, 2, outros professores devem fazer um ato semelhante e se acorrentar no local. "Vamos continuar pressionando o governo."

Nesta segunda, a Apeoesp decidiu desmontar o acampamento que mantinha em frente à secretaria há 70 dias. De acordo com Maria Izabel, o acampamento cumpriu sua função "de chamar a atenção da sociedade para a falta de diálogo e respeito do governo com os professores".

A paralisação dos professores corre o risco de terminar sem avanços. Enquanto os docentes reivindicam reajuste salarial de 75,33%, o governo Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou que não vai negociar aumento até julho. A paralisação dos professores estaduais completou 78 dias nesta segunda, mas já perde força.

Segundo levantamento do sindicato, a adesão dos professores à paralisação, agora em 30%, chegou a mais de 60% em abril. Já o governo estadual afirma que apenas 4% dos professores aderiram.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo Apeosp Geraldo Alckmin

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.