Professores da USP decidem continuar em greve

Categoria quer saída da PM do câmpus, renúncia da reitora e retomada das negociações

Agência Estado,

16 Junho 2009 | 08h14

Os professores ligados à Associação dos Docentes da Universidade de São Paulo (Adusp) decidiram em assembleia na segunda-feira, 15, manter a greve. Em nota, a entidade exigiu a saída da Polícia Militar do campus Butantã da USP, a renúncia da reitora Suely Vilela e a retomada das negociações com o Conselho de Reitores das Universidades Estaduais de São Paulo (Cruesp).   Com as atividades suspensas desde o último dia 4, a categoria reivindica reajuste salarial de 6%, 10% de reposição por perdas históricas e parcela fixa de R$ 200. Os docentes marcaram uma nova assembleia para quarta-feira,

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.