1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Professores da rede municipal de SP aprovam greve

- Atualizado: 05 Março 2016 | 18h 21

Categoria pede adiantamento de reajuste de 20,26% para maio; Prefeitura de São Paulo diz que ainda analisa proposta

Os professores da rede municipal de São Paulo decidiram inciar greve na próxima quarta-feira, 9. Eles pedem o adiantamento do reajuste de 20,26%, que foi acordado com o governo de Fernando Haddad (PT) que seria parcelado até maio de 2018. 

A greve foi aprovada em assembleia na tarde desta sexta-feira, 4. De acordo com o Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal de São Paulo (Sinpeem), principal sindicato da categoria, os profissionais da educação reivindicam que a Prefeitura cumpra a lei com a aplicação do reajuste de 3,74% em maio. Eles também pedem que sejam adiantados os reajustes de 5,39%, 5% e 4,76%, previstos em lei para serem aplicados em novembro deste ano, maio de 2017 e maio de 2018, respectivamente. Totalizando um reajuste acumulado de 20,26%.

Professores da rede municipal em manifestação em frente à Prefeitura de São Paulo
Professores da rede municipal em manifestação em frente à Prefeitura de São Paulo

"Em 2014 e 2015, a prefeitura nos deu reajuste, mas parcelou. Na época não tivemos opção, só nos restou aceitar. Do contrário, era ficar sem reajuste e em greve por tempo indeterminado. Mas, agora, com a inflação em alta, não podemos esperar quatro anos para ter reajuste", disse Claudio Fonseca, presidente do sindicato. 

A assessoria da Secretaria municipal de Gestão disse que a prefeitura está em negociação com o sindicato e que tem uma reunião agendada para a próxima quarta-feira, em que deve apresentar uma proposta. 

De acordo com Fonseca, a greve começa já na quarta-feira e a continuidade da paralisação será definida em assembleia, dependendo da avaliação dos servidores sobre a proposta que apresentada pela prefeitura. 

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EducaçãoX