Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

Professores da rede estadual de SP mantêm greve

Em novo protesto, eles fecharam a Avenida Paulista na tarde desta sexta-feira

Ocimara Balmant, de O Estado de S. Paulo,

26 Abril 2013 | 23h08

Após votarem pela manutenção da greve, cerca de 5 mil professores da rede estadual fizeram, no fim da tarde desta sexta-feira, 26, uma passeata até a Praça da República, onde fica a Secretaria de Estado da Educação. No trajeto, chegaram a bloquear as duas pistas da Avenida Paulista e fecharam parte da Rua da Consolação.

 

Com faixas dizendo “Não sou celular para viver de bônus”, eles reivindicam reajuste de 36,74% e mudanças nas contratações. Parte da categoria está parada desde segunda-feira, quando o governo anunciou aumento do reajuste de 6% para 8,1%. “É um descaso de décadas. Em 1993 eu estava neste mesmo lugar, lutando pela mesma causa”, disse Reginaldo Domingos, docente de Mogi das Cruzes. Segundo ele, em sua escola, metade dos docentes aderiu à greve, com o apoio dos alunos.

 

A Apeoesp afirma que 35% dos docentes aderiram à paralisação – para a Secretaria de Educação foram menos de 10%. Em nota, a secretaria afirmou que é deplorável que os dirigentes sindicais “busquem ampliar a baixa adesão ao movimento tentando provocar a ausência de estudantes”.

Mais conteúdo sobre:
Greve Professor São Paulo Avenida Paulista

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.