FELIPE RAU/ESTADÃO
FELIPE RAU/ESTADÃO

Preparo para o mercado ou nova carreira? Faça uma pós

Profissionais com pouca experiência buscam essa modalidade de curso para aprofundar conhecimentos ou entrar em outra área

Igor Patrick, ESPECIAL PARA O ESTADO

08 Dezembro 2015 | 03h00

Mudar de carreira, aprofundar os conhecimentos na área de atuação ou melhorar o currículo para brigar no competitivo mercado de trabalho. Esses são os principais motivos de quem busca um curso de especialização. Menor do que um mestrado, a pós-graduação é a principal forma que estudantes recém-graduados encontram de direcionar a carreira.

Formado em Administração pela Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), o fotógrafo Ivan Padovani, de 36 anos, já desenvolvia projetos paralelos em fotografia na época da faculdade. Terminada a graduação, trabalhou por uns anos em hotelaria até resolver se dedicar às câmeras. Para ele, que dominava a técnica, o curso de pós-graduação em Fotografia, feito também na Faap, desenvolveu um olhar autoral que faltava na sua produção.

“Foram dois anos que me obrigaram a pesquisar o assunto, ficar em torno do objeto, trocar ideias com artistas com repertórios muito grandes e que aumentaram a minha bagagem.” O resultado foi a exposição Campo Cego, selecionada em 2014 pelo Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia e pelo Programa Descubrimientos do Festival PhotoEspaña, um dos maiores do mundo.

Padovani trocou os hotéis pela academia: no início deste ano, foi convidado a dar aulas na Escola Pan-americana de Arte, onde trabalha atualmente. “Ter a especialização no currículo contou muito para receber esse convite. Muitas vezes, quem está em início de carreira ainda não tem a maturidade para encarar um mestrado e essa modalidade de curso te prepara para esse degrau maior.” 

E é nesse preparo que instituições conceituadas procuram montar o currículo de seus cursos. Na Fundação Getúlio Vargas (FGV), o candidato a uma vaga em um dos cursos de MBA precisa estar em meio de carreira. Para atender a demanda de iniciantes, a FGV desenvolveu a pós-graduação em Administração de Empresas, uma formação para que o aluno consiga aprender a base do que será tratado no nível posterior. 

“É realmente uma introdução à área executiva, similar ao primeiro ano de um MBA. No curso o aluno vai aprender Matemática Financeira, Gestão, Logística e Liderança”, explica o diretor da FGV Management (braço da Fundação que cuida dos cursos de especialização), Paulo Mattos de Lemos.

Além de administradores, é comum ver na sala médicos, advogados, psicólogos e até historiadores, alguns com idade considerada avançada. “Não é necessário ter uma formação prévia na área, então acabamos atraindo profissionais que querem gerir negócios próprios ou pessoas em busca de posições executivas dentro das empresas onde trabalham.” 

Universidades públicas também têm especializações. A Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP) oferece o curso de Gestão Estratégica em Comunicação Organizacional. Desde 1999, quando foi criado, já formou 625 especialistas. 

“Tentamos atender de forma mais rápida as demandas para uma qualificação profissional direta e com foco nas necessidades dos alunos para aperfeiçoar seu desempenho no mercado de trabalho”, diz a coordenadora, Margarida Kunsch, destacando ainda a rede de contatos no curso. “Os alunos se conhecem e estabelecem networking, facilitando a empregabilidade.” O processo seletivo ocorre uma vez ao ano.

Para o gerente de Recrutamento da Michael Page, Marcelo Beltrame, especializações são boas para quem quer direcionar a carreira e mais efetivas para profissionais com alguma experiência. “A pessoa que já é do meio, que investe para se especializar, tem grande chance de obter um resultado bom a curto prazo. Quem vem de Humanas, por exemplo, complementa informações técnicas que você tem quando faz graduações em Exatas.”

Beltrame destaca que as pessoas com as maiores faixas de salário que ele costuma recrutar quase sempre têm uma especialização ou um MBA, mas que o profissional deve avaliar suas competências e prioridades. “Se o candidato não domina inglês, por exemplo, é muito melhor que foque nisso para depois procurar uma pós.” 

DEPOIMENTO de Andreza Donatelli, pós-graduada em Inteligência de Mercado na Saint Paul

‘No curso, já vi a diferença que fazia na minha carreira’

“Eu me formei em Arquitetura em 2002 e, dois anos depois, fui trabalhar em agências de Design. É muito comum que esse tipo de negócio contrate arquitetos. Inicialmente eu mexia com criação, mas poucos meses depois saí da criação e fui trabalhar no atendimento, uma área muito mais comercial e sem tanto envolvimento criativo.

Acumulando experiência na função, sentia falta de um curso mais voltado para o que fazia, para complementar a prática diária. 

Iniciei a Especialização em Inteligência de Mercado em 2013. Ainda no curso, consegui perceber a diferença que isso fazia na minha carreira. Administro uma carteira de clientes e tinha pouca noção de balança comercial, Direito, Gestão. E as aulas me deram uma pincelada em todas essas áreas. 

O próprio contato com alunos de várias áreas diferentes me ajudou a pensar diferente, a entender além da minha realidade. Minha rotina é muito mais dinâmica, meus horários não são fixos e a convivência com colegas de outras áreas mais quadradas, como mercado financeiro, me fez entender melhor o outro. Da mesma forma, eu consegui passar visões mais amplas sobre assuntos que eles costumavam ver de um jeito mais limitado. 

Formada, eu me senti mais preparada para lidar com os clientes. Nem sempre eles sabem dizer o que querem e me qualificar me ajudou muito no trabalho de entender a cabeça deles. Eu consigo selecionar hoje o que é relevante dentro do orçamento e da área de negócio, ajudar a distribuir verbas para diferentes setores e fazê-los chegar ao objetivo que eles desejam.

As minhas responsabilidades também aumentaram: antes tinha um subordinado, agora tenho quatro pessoas sob minha gestão.

Como aprendi melhor a gerir pessoas, os conhecimentos aplicados estão me rendendo mais produtividade. 

Mesmo na vida pessoal, percebi diferenças. Os conceitos de negociação podem ser aplicados ao mundo corporativo, mas também aplico ao lidar com outras pessoas, a ponderar problemas familiares e até em relacionamento mesmo. 

Agora, para o próximo ano, tenho o projeto de cursar um MBA. A especialização me preparou para subir esse próximo degrau, somada à experiência profissional e bagagem de vida que fazem uma diferença grande na hora de pensar em um curso de perfil executivo.

SERVIÇO

Faap

Curso: pós-graduação em Fotografia

Duração: 18 meses (mais quatro meses de projeto de conclusão)

Vagas: 15 a 30

Inscrição: Aberta até o preenchimento das vagas

Seleção: Carta de intenção, envio de documentos comprovando formação superior e entrevista (em alguns casos)

Custo: R$ 23.850 (ou 18 parcelas de R$ 1.473,08, ou 24 parcelas de R$ 1.141,48)

Início das aulas: Março

Site: pos.faap.br

FGV

Curso: Pós-Graduação em Administração de Empresas

Duração: 18 meses (mais quatro meses de projeto de conclusão)

Vagas: 360 em São Paulo, em nove turmas no ano. Também há turmas no Rio e em Brasília

Inscrição: Aberta até o preenchimento das vagas

Seleção: Provas de raciocínio lógico e interpretação de textos

Custo: R$ 21 mil (ou 25 parcelas de R$ 968)

Início das aulas: Março ou agosto

Site: posadm.fgv.br

USP

Curso: Pós-Graduação em Gestão Estratégica em Comunicação

Organizacional e Relações Públicas

Duração: 20 meses

Vagas: 20

Inscrição: Aberta até o preenchimento das vagas

Seleção: Provas de conhecimentos específicos, entrevistas e análise de currículo

Custo: R$ 19 mil (ou 20 parcelas de R$ 950) - quatro bolsas são divididas entre os alunos

Início das aulas: Março

Site: sites.google.com/site/gestcorpespecializacao

Mais conteúdo sobre:
Faap FGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.