Gretchen Ertl/The New York Times
Gretchen Ertl/The New York Times

Pela 1ª vez, Harvard tem maioria de calouros não brancos

Dos novos alunos, 50,8% são de minorias, entre negros, latinos e asiáticos; universidade usa ações afirmativas

O Estado de S.Paulo

03 Agosto 2017 | 20h41

Pela primeira vez desde que foi criada, há 380 anos, a Universidade Harvard, nos Estados Unidos, tem a maioria dos calouros composta por minorias ou grupos chamados “não brancos”. Esse público, que totaliza 50,8% dos ingressantes, é formado por americanos de ascendência asiática (22,2%) e afro-americana (14,6%), além de latinos (11,6%), indígenas e habitantes das ilhas do Oceano Pacífico (2,5%). 

Cerca de 39,5 mil estudantes tentaram uma vaga em Harvard, uma das instituições mais prestigiadas do mundo, que tem ações afirmativas em seu processo seletivo. Desses, 2.038 foram admitidos, com início das aulas neste mês e previsão de formatura em 2021. No processo seletivo anterior, a proporção de ingressantes não branca havia sido de 47,3%. 

No total, Harvard tem 22 mil alunos, na graduação e na pós, vindos de todos os Estados americanos e de 80 países. Segundo a reitoria, 60% dos estudantes de graduação recebem algum tipo de ajuda financeira, como bolsas ou empréstimos. Universitários de baixa renda são o foco desse programa de auxílio.

O perfil do alunado foi publicado dias após a instituição se envolver em uma polêmica. Segundo o jornal New York Times, o Departamento de Justiça dos EU se preparava para investigar universidades de elite - entre elas, Harvard - por suposta discriminação contra candidatos brancos no processo de admissão.

Mais tarde, o órgão informou que a investigação, na realidade, envolve só uma queixa, relacionada à suposta discriminação contra candidatos americanos de ascendência asiática. Para especialistas, a intenção pode revelar viés conservador do Departamento de Justiça na gestão Donald Trump.

Mais conteúdo sobre:
Estados Unidos [América do Norte]

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.