País desenvolvido gasta 3 vezes mais com aluno do que o Brasil

Relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) calculou despesas com educação em 44 nações

O Estado de S. Paulo

09 Setembro 2014 | 11h49

SÃO PAULO - O Brasil aumentou o total de verbas destinadas à educação nos últimos anos, mas o gasto por aluno no País é um terço do investimento feito pelas nações desenvolvidas. Isso é o que aponta um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgado nesta terça-feira, 9.

De acordo com o levantamento, o gasto público com cada estudante brasileiro em 2011 foi de US$ 2.985, o que corresponde a R$ 6.789. Já nos países desenvolvidos, o montante de verbas por aluno foi cerca de três vezes maior naquele ano: US$ 8.952, o que corresponde a R$ 20.360. 

A OCDE calculou os investimentos públicos de 34 países que compõem a entidade, além de dez parceiros, entre eles o Brasil. Da lista, somente a Indonésia gasta menos do que o governo brasileiro por estudante. Entre as nações com maior investimento per capita estão Estados Unidos, Áustria, Holanda e Bélgica, com despesas na área superiores a R$ 10 mil. 

Segundo a entidade, entre 1995 e 2011 os gastos com cada estudante de ensino superior cresceram em todos os países, menos no Brasil e outros cinco. A OCDE ainda aponta que a maioria dos investimentos do governo brasileiro em educação está concentrada no ensino superior. 

Por outro lado, o documento aponta que o Brasil emprega mais recursos do que os outros países na área. Enquanto a média da ODCE foi de 13% de todo o gasto público em educação, o governo brasileiro investiu 19% no setor. A fração do Produto Interno Bruto brasileiro investida na educação em 2011, segundo a OCDE, foi de 6,1%.

Admissão. O ministro da Educação, Henrique Paim, reconheceu que os recursos investidos em educação, apesar de terem crescido, ainda são baixos,. Ele destacou, porém, que há perspectivas de melhora.

“É pouco, mas temos perspectivas de melhorar. Temos um PNE (Plano Nacional de Educação) aprovado que define que nos próximos 10 anos teremos de chegar a 10% do Produto Interno Bruto”, disse. “E também há uma fonte de financiamento definida por lei onde 75% dos recursos dos royalties do petróleo e 50% dos recursos do pré-sal para educação”, completou.

De acordo com dados do Ministério da Educação, o valor por aluno investido cresceu 181% nos últimos 10 anos. Nas séries iniciais, 198,6%, do 5.º ao 9.º ano, 173,9%, e no ensino médio, 197%. 

Ganhos. O estudo da OCDE também mostra que o Brasil é um dos países onde há maior diferença nos salários de acordo com o nível de formação. Adultos sem o ensino médio ganham, no máximo, 35% menos que aqueles que concluíram essa etapa de ensino. 

Já aquele com diploma de ensino superior ganha o dobro do salário do empregado que tem só o ensino médio. Isso, segundo a OCDE, indica a demanda por mão de obra qualificada e a vulnerabilidade dos trabalhadores sem estudo.

Mais conteúdo sobre:
OCDE Educação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.