O valor dos critérios

Preço e localização pesam muito, mas não bastam; especialistas indicam o que os pais precisam levar em consideração

Paulo Saldaña e Lucas Frasão, especial para O Estado,

15 Outubro 2009 | 10h36

Nas visitas para definir a escola dos filhos, as famílias são bombardeadas com informações nem sempre fáceis de interpretar. Normalmente, valor da mensalidade, localização e estrutura física já são levadas em conta na avaliação. Mas quais outros aspectos devem ser observados?   O primeiro passo, afirma a professora da Faculdade de Educação da USP Marieta Lúcia Nicolau, é tentar definir o perfil da instituição. "As famílias precisam ter uma ideia do currículo para saber os rumos da escola." É importante entender como o colégio equilibra atividades dentro e fora da sala. "A brincadeira é muito importante nos primeiros anos. O foco não pode ser apenas na alfabetização."   "Analisar como a instituição valoriza conhecimentos e a socialização dos alunos é decisivo para entender a proposta pedagógica", afirma Silvia Colello, professora da Faculdade de Educação da USP. Ela sugere aos pais que perguntem sobre o modelo de avaliação e os tipos de punição aplicados em caso de indisciplina.   As visitas permitem ainda aos pais conhecer outros estudantes e suas famílias. "O ambiente é fundamental, porque a criança procura espelhos, tanto nos colegas quanto nos adultos", diz a ex-secretária estadual de Educação Maria Lucia Vasconcelos, professora da Universidade Mackenzie.   Outra dica é pedir à direção que mostre trabalhos de alunos. "Isso dá uma ideia do que é desenvolvido pelos professores em sala e de como são feitas as correções", afirma Neide de Aquino Noffs, educadora da PUC. Um caderno que só reproduz anotações do quadro negro pode indicar falta de espaço para discussão.   Além das características pedagógicas, há outras duas questões preponderantes: localização e preço. Segundo especialistas, a facilidade de acesso pesa, especialmente numa cidade de trânsito caótico como São Paulo, mas não pode determinar a escolha.   Quanto à mensalidade, os pais têm de levar em consideração que ela é apenas parte do custo da escola. "Em vez de uma comparação simples, é preciso observar a relação custo-benefício", diz Silvia. Uma escola mais cara que oferece bons cursos de inglês e música sem cobrança adicional pode sair mais em conta que outra de mensalidade menor. O ideal é conhecer as escolas em dias normais de funcionamento. Antes de os pais baterem o martelo, é recomendável fazer outra visita, dessa vez com o filho.

Mais conteúdo sobre:
ponto edu pontoedu

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.