O fim das escolas como as conhecemos

Conforme a integração tecnológica mundial avança, transformar e transmitir informações se torna uma tarefa não apenas crescentemente banal, mas universal. Crianças, jovens, adultos e idosos agora carregam parte importante de suas vidas em seus bolsos. Mais do que isso, levam também as vidas de todos com quem se relacionam e até quem desconhecem pessoalmente, mas que estão disponíveis para interação e suporte à distância. É emocionante acompanhar a chegada do professor nesta lista.

Newton Campos, O Estado de S.Paulo

13 Outubro 2014 | 02h02

O que definia uma escola até pouco tempo atrás eram suas instalações, seu quadro de professores e os livros recomendados. Pouco a pouco, toda essa estrutura começa a ruir e a ser questionada como a combinação ideal de recursos para o aprendizado. A escola como local de encontro se tornará obsoleta quando os processos pedagógicos começarem a ser reorganizados pela ótica dos alunos. O professor deixará de ser o antigo agenciador de informações para assumir um papel ainda mais nobre: o de se tornar um mentor responsável por dar sentido à sobrecarga de informações.

* é professor da FGV e da IE Business School

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.